26 de set de 2009

Continuam abandonando animais na propriedade de Irmão Teodorico...

Aqui falo pela ONG Amigos dos Animais. É um apelo...

_________________

É de conhecimento de toda a comunidade local que o Irmão Teodorico está em seus últimos momentos de vida (já não fala e se alimenta somente de líquidos através de uma seringa), mas as pessoas de má índole continuam abandonando animais na sua propriedade!

Encontraram uma cachorra amarrada no matagal. Graças a São Francisco de Assis (que protege nossos irmãos animais), uma pessoa resolveu passar por perto a viu deitada quase morta de fome e sede! Como o Irmão Teodorico não tem mais condições de atender nem os animais que já estão com ele há tempo, uma pessoa se encarregou de ficar com a Aparecida (este foi o nome escolhido).

O que nos causa indignação é o fato de saberem que a propriedade é monitorada por câmeras de segurança, então escolheram o matagal dos fundos para "desovar" a coitadinha. Tudo bem, as autoridades humanas não conseguirão pegar essa pessoa, mas a Deus, que tudo vê e tudo sabe, ninguém consegue enganar...

Solicitamos a gentileza de divulgar esta mensagem e espalhar para maior número de pessoas este pedido, pois o Irmão Teodorico sofre muito com esses fatos e isso torna seus últimos dias ainda mais tristes.

POR FAVOR NÃO ABANDONEM MAIS ANIMAIS NA PROPRIEDADE DO IRMÃO TEODORICO!! ELE JÁ FEZ A PARTE DELE, CABE A CADA UM DE NÓS FAZER UM POUQUINHO QUE SEJA!!

25 de set de 2009

Sobre vereadores:

(pulbicado com o título errado no Jornal Cidadela em 25/09/2009)

Tinha prometido a mim mesma que esta semana minha coluna trataria de algum assunto mais ameno, já tinha até o tema – meio ambiente – afinal os que me conhecem sabem que sou uma “ecochata” que se estressa em ver que o consumo consciente está a anos-luz da nossa realidade, assim como a seleção e coleta seletiva do nosso lixo de cada dia. Mas ouvi a sessão da Câmara de Vereadores da terça-feira e foi por água abaixo minhas intenções anteriores...

Parece praga de madrinha, mas as sessões que não compareço sempre são as mais movimentadas! Falaram de tudo um pouco! Meio ambiente (olha meu tema aí), licitações (empresa contratada para fazer o serviço de gente que já está lá dentro), visita do governador (para inaugurar obras inacabadas), projeto de lei dos 15% da Zona Azul (de novo ele!?), e outros tantos assuntos que nem me lembro mais!

Nutro uma certa simpatia pelo Legislativo atual, em especial por aqueles vereadores que têm coragem de mostrar a que vieram, que não têm a preocupação de ficar “bem na foto” pensando nos pleitos futuros. Esses aí têm consciência de que foram eleitos para nos representar e fazer valer nossos direitos. Às vezes podem ser mal interpretados, parecendo até estarem boicotando os cidadãos, mas eles estão em uma situação privilegiada, conseguem ver um pouco mais adiante, de um ângulo inacessível para nós.

O que hoje nos parece uma solução, muito em breve pode se mostrar um engano. Tomo por exemplo o projeto de lei que trata do repasse da verba da Zona Azul (nem existe mais, mas o “dim dim” está lá), o Executivo quer ter o poder de repassá-lo para quem bem entender, conseguiu até reunir algumas lideranças locais para apoiá-lo. Tudo bem, a intenção pode ser boa, mas quem fiscalizará o uso final deste dinheiro? Aí entram os vereadores atentos que pedem uma emenda exigindo a prestação de contas! Ainda bem que eles existem...

São estes mesmos vereadores que questionam a publicação da contratação de uma empresa para fazer projetos com o intuito de angariar verbas dos governos estadual e federal. Mas caramba! Há pouco tempo atrás não aprovaram a criação de um cargo (com status de Secretaria) para a confecção de tais projetos?! Esse assunto eu mesma já havia questionado o Executivo através de requerimento de documentos, mas ainda não me foram entregues. Assim como eu estão atentos aos fatos e atos...

Viajam, vão atrás de soluções plausíveis para nossa cidade. Pode até não sair da maneira mais perfeita afinal fizeram um Seminário tratando de políticas de meio ambiente e coleta seletiva de lixo regado à água mineral de copinho e com o ar condicionado ligado com as portas abertas. Mas eles provaram que estão dispostos a trabalhar e que, se tiverem o engajamento do Executivo, poderão deixar nossa Joaçaba melhor de se viver. Eles estão fazendo a parte que lhes cabe nesta empreitada...

Temos que ficar atentos, pois nossos vereadores são uma excelente ferramenta para transformar nossa realidade, mas também temos que nos desvencilhar da ideia de que vereador é “aquela pessoa amiga lá do bairro que ‘quebra uns galhos’ para mim”. A função deles vai muito além de requerer uma lâmpada de poste, uma pintura de faixa ou uma placa de trânsito. Eles podem fazer isso, mas eles têm a obrigação de legislar de forma transparente; têm que acompanhar e fiscalizar os atos do Executivo, têm que trabalhar para que as coisas funcionem por aqui e sempre pensar no futuro da nossa comunidade.

Não me importam suas siglas partidárias, todos sabemos que elas nem têm tanta importância assim, me importam suas posturas diante dos fatos da nossa cidade. Temos nos vereadores parceiros de luta. Em alguns deles encontramos a liberdade de pensamento que muda o mundo, pois somente uma alma livre e uma consciência tranquila conseguem fazer com que continuemos nos indignando e lutando contra o que de errado nos cerca. Aos demais que não se enquadram no que aqui descrevi, fica o convite para unir nossas forças e trabalhar...

21 de set de 2009

Eu não sei como as coisas funcionam por aqui

(publicado no Jornal Cidadela em 18/09/2009)

Confesso que esta semana não foi fácil para mim, a começar pelo simples ato de estacionar meu carro no centro da cidade, mas isso nem teve importância diante de tudo o que vinha acontecendo ao meu redor, parecia mesmo que “a bruxa” estava solta. Sabe aqueles dias que começam e terminam pesados, que você acorda e vai dormir com uma sensação de que o mundo lhe pesa nas costas?

Acho que a morte anunciada de um conhecido próximo me fez relembrar outras que me marcaram de uma forma ou de outra. Falo do meu sogro Zelindo Branco. Nem cheguei a conhecê-lo (e se tivesse nem teria atentado para mim, afinal ainda era uma criança quando ele passeava de moto por estas paragens). Sabe aquelas pessoas que te dão saudades mesmo sem ter conhecido? Talvez pelas incontáveis histórias que ouço sobre ele, sobre o seu jeito alegre, sobre sua forma de levar a vida, de sempre estar disposto a ajudar os amigos? Algo como “nunca te vi, sempre te amei”.

Quando soube das circunstâncias da sua morte, que ele havia atropelado um porco, logo lembrei do meu avô que havia atropelado um cavalo e também foi a óbito. Coincidências da vida, até mesmo porque meu avô morou em Joaçaba e por certo também foi amigo do Zelindo...

Por conta da minha profissão o inventário acabou vindo parar em minhas mãos, tinha a incumbência de rever tudo o que ali estava para chegar a alguma conclusão sobre a partilha dos bens. Agora é que o “bicho pega”: ao abrir aquele enorme volume (é assim, inventário de rico tem uma porção de folhas e documentos, e interessados), um frio me percorreu a espinha e uma idéia se fixou em minha mente, algo como “está tudo errado, está tudo errado”. Passei dias sem dormir direito, até entender por onde deveria buscar o famigerado “erro”, mas a leitura não conseguia avançar da página do Atestado de Óbito. OK, iria começar por ali.

Fui atrás de maiores informações quanto aos fatos que envolviam sua morte, onde, como, quando, por quê. Encontrei recortes de jornais que anunciavam que “viajando no sentido Água Doce – Joaçaba, Zelindo colidiu com um animal”. Tudo bem, estava confirmado, era voltar à minha leitura e virar a página. Ledo engano, pois a idéia fixa permaneceu até o momento em que resolvi, juntamente com algumas outras pessoas, fazer uma investigação mais detalhada e ver “no que iria dar”.

Depois de pouco tempo descobrimos que o tal porco não era “tão porco assim”, era um rapaz que trabalhava numa propriedade próxima... Bingo! A voz estava certa, havia um erro! Não era porco! Era cor-po!!! Mas o tal rapaz não faleceu, está “vivinho da silva”, inclusive tendo prestado depoimento na delegacia de Luzerna, porque a esta altura eu já tinha informações suficientes para pedir a abertura de um Inquérito Policial investigatório.

Algumas outras pessoas foram ouvidas, inclusive o médico que fez o atendimento naquele fatídico dia. Umas fotocópias de apólices foram encontradas no fundo de uma caixa que estava esquecida em um porão qualquer, apólices estas que não eram de conhecimento de alguns de seus filhos e que geraram bastante curiosidade tanto para eles quanto para a Seguradora, mas já se havia passado tanto tempo, nem arquivo morto existia mais. Melhor deixar como está...

Tenho todos os motivos para me sentir angustiada afinal de contas há uns dias atrás escrevi em meu blog um texto (ou seria uma catarse?) sobre não ser joaçabense e que, por conta disso, não saberia entender as coisas que acontecem nesta cidade “há mais de vinte anos”. Confesso que naquele dia eu me indignei, sapateei, sofri, mas esta semana, depois de tudo o que me veio sobre os fatos da morte do meu sogro, sou obrigada a admitir que realmente “eu não sei como as coisas funcionam por aqui”.

Mas no caso do Zelindo, depois de muitas idas e vindas, de muitos telefonemas de muitos depoimentos “em off” tudo foi esclarecido. Zelindo Branco pode descansar em paz. Eu posso dormir em paz e espero que o rapaz que ainda carrega as sequelas do acidente também tenha um sono tranquilo...

18 de set de 2009

O que rodeio tem a ver com campanha eleitoral?

Esta semana recebi uma informação de que o Dep. Estadual Jorginho Mello está se articulando para trazer um rodeio country para Joaçaba, esse mesmo rodeio que foi combatido com unhas e dentes por protetores de animais e protetores da probidade administrativa.

No meu último escrito (Sopa de Letrinhas) eu já havia informado isso a vocês, então nem é novidade. Mas eu não entendi o porquê deste futuro candidato a Dep. Federal estar tão ocupado com um evento deste tipo. Não tem nada de importante na ALESC? Nossa região já está tão bem servida que nem precisa mais de dinheiro para obras públicas (que poderiam vir por conta da influência deste político da região)?

Será que tal evento tem ligação com a campanha de 2010? Se for para servir de palanque vai ser um tiro no pé, pois vai precisar de muitos votos catarinenses para chegar à Brasília e da causa animal encontrará uma "anti-campanha", afinal de contas se tem um grupo unido é esse, basta um se mobilizar para todos votarem no mesmo sentido (aqui em nossa cidade isto ficou bastante claro nas últimas eleições).

Novamente vou (já estou) monitorando de onde vem a verba para bancar o rodeio, se é pública ou se vem de entidades "sem fins lucrativos". Vou questionar cada centavo que será pago, vou pedir cópia de tudo, vou incomodar mais que "um caminhão de macacos" (como costumam dizer de mim).

Alguns vão dizer "mas ele é um candidato da região, pode trazer muitas coisas pra cá". E eu respondo, se não trouxe até agora por que traria depois? Agora ele mora em Santa Catarina, depois vai lá pro Distrito Federal (bem longe dos seus eleitores). A menos que vocês se satisfaçam com migalhas como os pombos famintos das praças!

Vou lutar com todas as minhas forças contra o rodeio, posso não vencer esta luta afinal de contas é "Davi contra Golias", mas eu tenho um saco de pedras que a cada dia está se enchendo mais e mais...

DEIXEM OS BICHOS EM PAZ!!!
Que eu os deixo em paz...
Combinado?

13 de set de 2009

Sopa de letrinhas

(publicado no Jornal Cidadela em 11/09/09)

Quem não lembra de ter comido uma sopa de letrinhas? Mais brincado do que comido, montando palavrinhas e deixando a sopa gelar? Era muito bom! Pena que o tempo passa e a gente para com essas coisas. Pelo menos a maioria, pois alguns viram políticos e criam partidos e voltam a brincar com as letrinhas.

Nasci em 1972 (uma mulher normal não contaria isso) e não sou nenhuma cientista social e muito menos comentarista política, então vou escrever como uma pessoa comum, pedindo desde já perdão pelos equívocos, pois usarei como fonte apenas minha memória dos anos já vividos.

Quando era pequena lembro que havia a ARENA e o MDB, como venho de família bastante politizada (tem até Ministro nela!) sempre ouvia que a ARENA era a “direita”, era coisa dos militares, e o MDB era um outro grupo de gente que era sempre “do contra”. Depois vi que a tal ARENA tinha virado PDS e o tal MDB agora era PMDB. Mas tudo me fazia pensar que só era uma mudança de letrinhas.

Parece que o pessoal gostou da brincadeira e não parou mais! Eu lembro disso: ARENA – PDS – PFL – DEM. Acho que o MDB gostou de ficar PMDB. Mas daí não parou de surgirem novas combinações: PT, PV, PP, PSDB, PTB, PDT, PSol, PC do B (esse eu sei que é bem antigo, mas era impronunciável nas conversas – parecia que era uma palavrinha mágica que fazia soar a sirene da polícia).

Agora leio que tem até o PIG! Até poucos dias atrás isso era “porco” em inglês. Qual nada! Se existe ou não, já foi batizado! É um tal de Partido da Imprensa Golpista. Cada uma!

Quando cresci entendi que essas novas siglas nasciam por conta das diferenças de pensamentos e as pessoas se juntavam por afinidade de idéias e “partiam” para outra direção. Pronto! Está aí! O “P” é de “partido”! Então, se está partido é porque não está grudado!

Mas o tempo passa e a gente vê que em política não é bem assim, ali ninguém tem compromisso com a lógica ou com a coerência. Começo a acreditar que nem com a sanidade, afinal eu sempre escuto falar em “choque de crescimento”, “choque de seriedade”. Choque me lembra sanatório e se fosse bom não haveria louco no mundo.

“Chocada” fiquei eu dia desses! Elegemos um prefeito do DEM (alguns gostam de colocar um “o” logo ali atrás), mas quem manda é o PSDB?! Vou explicar melhor:

Dia desses atrás encontrei nosso Diretor de Eventos (que foi candidato a vereador pelo DEM), nos cumprimentamos e logo depois ele me solta essa: “Bete, vamos fazer o rodeio, o Jorginho quer”. Pronto! A casa caiu pra mim! Mas se estão pensando que foi por causa do maldito rodeio, estão redondamente enganados! É que eu pensei que o prefeito fosse outra pessoa, que tivesse outro nome!

Na primeira série – com seis aninhos - nunca vou esquecer o dia em que a minha professora perguntou “quem manda na cidade?”. O Fabrício de um pulo gritou “o xerife!”. Não, não era o tal xerife. Era o Prefeito! Juro de pé junto que até os meus 37 anos eu acreditei na minha professora...

Então é assim? Partido não significa que está separado, é mais ou menos como aquela coisa de “tudo junto e misturado”?!. Prefeito não manda nada na cidade, é Deputado que faz isso?! Saudades das minhas aulas de Educação Moral e Cívica e de OSPB (Organização Social e Política Brasileira)! Queria ter esta sabedoria de hoje para dizer aos professores que eles não sabiam de nada. Que “na prática a teoria é outra”.

Mas tem coisa que só o tempo nos ensina...

Por enquanto fico com meus devaneios sobre as letrinhas, porque, quanto ao rodeio, este se houver, será o motor da “caçamba” que vou despejar nos pés de uns e outros. Mas isso é assunto lá pra 2010...

6 de set de 2009

Estado laico?

(publicado no Jornal Cidadela em 04/09/2009)

O Estado é laico, certo? Certo!

Então alguém me explica o porquê daquele baita crucifixo na Câmara de Vereadores! E por que eles abrem as sessões com a leitura da Bíblia na versão católica? E por que encerram em nome de Deus?

Estas perguntas abriram um debate no site de relacionamento “Orkut”, mais precisamente na comunidade denominada “Joaçaba”. Fui eu quem criou o tópico de debates, mas confesso que me assustei com a repercussão do assunto; muitos foram os membros que vieram até ali para expor algumas teses ou expressar seus posicionamentos quanto à matéria.

Sempre fui muito desligada, sequer havia atinado para o fato de haver crucifixo Câmara de Vereadores, foi minha filha que me questionou do porquê dele estar ali sendo que o Brasil é um Estado laico. Daí em diante esta foi uma questão que não saiu da minha cabeça...

Estado laico é aquele que não se confunde com determinada religião, não adota uma religião oficial, permite a mais ampla liberdade de crença, descrença e religião, com igualdade de direitos entre as diversas crenças e descrenças e no qual fundamentações religiosas não podem influir nos seus rumos políticos e jurídicos. É o que se defende ser o Brasil sob a égide da Constituição Federal.

Aqui em Joaçaba vejo que a esfera estatal tem uma relação de intimidade com a Igreja Católica, coisa que me remete à Idade Média. Não que esta convivência deva ser combatida, até mesmo porque muita coisa boa acontece por conta dela, mas não posso deixar de observar que as outras "denominações" não recebem a mesma deferência. Por que só nós temos o direito de expor nossa fé?

Durante o debate vieram à baila excelentes opiniões, umas favoráveis a manutenção destes símbolos, outros se apresentaram descontentes, ou por se denominar ateus, ou, como eu, se colocando no lugar dos cidadãos que não professam a religião católica e têm sérias restrições quanto a isso. Não faltou quem apoiasse que todos os símbolos fossem colocados ali em pé de igualdade (mas daí a coisa iria complicar, faltaria espaço para os vereadores!).

Lógico que não podemos ficar restritos à nossa Câmara Municipal, afinal vê-se imagens em vários locais; na Sala do Júri, por exemplo. Lá no Judiciário esta discussão vem sendo levantada há tempos, inclusive gerando julgados tanto a favor quanto contra. É o que eu sempre digo: se “eles’ não chegam a um consenso, quem dirá nós, meros “mortais”...

Se vão retirar estes símbolos dos estabelecimentos públicos não faz a menor diferença, até mesmo porque este tipo de imagem está tão banalizado que nem está mais cumprindo a função de lembrar que Ele morreu por nós (como muitos de nós cremos). Estamos tão acostumados com a presença desta figura crucificada, que nem nos importamos mais com as "crucificações" que existem todos os dias em nosso redor...

Mas eu não sou contra tirar aquela coisa lá da frente. Acho de extremo mau gosto ver o Mestre Jesus só daquela forma. Cadê o homem que mudou o mundo!? Ele não passou os três últimos anos de sua vida pendurado numa cruz, passou, isso sim, pregando a justiça social. Essa mesma justiça social que é (ou deveria ser) uma das funções do Estado.

O interessante desta questão é que devemos (re)pensar a relação Estado - Religião, até que ponto um pode sofrer a interferência de outro. É nesta dimensão que devemos nos ater para questionar se estamos indo no rumo certo. Chegamos a um ponto que não podemos apenas receber as informações, venham elas de onde vierem. Precisamos ser os construtores da nossa cidadania, bem como da nossa religiosidade (ou a falta dela, para alguns).

O debate está aberto, pensemos em tudo isso.

4 de set de 2009

Eu não sou Joaçabense...

Parece que o fato de eu não ser joaçabense nata não me dá o direito de me manifestar sobre as coisas da cidade...

Vem de tempos que eu sinto isso e ontem ficou patente!

Era mais uma das audiências públicas que vêm acontecendo em Joaçaba (graças a Deus parece que as coisas "tomaram rumo" no tocante a isso); eu pensei que nem precisaria me manifestar, pois como indivíduo não tinha muito do que me queixar, mas lá pelas tantas não me aguentei e tive que me pronunciar. Mas agora não é o momento para tratar do contexto da minha fala e sim do que aconteceu logo depois.

Eu falei o que pensava, alertei os presentes e logo depois um vereador tomou a palavra e veio com uma "conversa mole" de que ele e alguns outros presentes eram joaçabenses (citou os nomes), que eles sabiam que as coisas são assim há mais de vinte anos, que os joaçabenses sabem como as coisas funcionam, e blá blá blá.

O que o cú tem a ver com as calças???? - [o blog é meu eu falo do jeito que quiser]

Desde quando o fato de uma pessoa não ter nascido na cidade faz com que ela não veja o óbvio?? E por que não essa censura velada às minhas palavras?? São mentiras?? São equivocadas?? (e mesmo que sejam estamos num país onde a liberdade de expressão é um dos nossos maiores valores, oras!)

Vou trazer para esta situação a questão da adoção de um filho. Por acaso a mãe adotante é menos mãe por que não pariu o rebento?? "Ah tá", é mais mãe aquela que põe uma porção de criança no mundo sem a menor responsabilidade, esta sim é mãe de verdade, não é mesmo?? Se seguirmos o raciocíno do nobre edil, é bem por aí...

Joaçaba não é minha terra natal, assim como também não é da Natália Zílio!!! Ela se criou aqui e fiz opção de ser como uma filha adotiva (e não me sinto menos "filha" por isso). Amor se conquista, minha "mãe natural" não me cativou, encontrei outra, mas confesso que pára por aí a figura da mãe, pois esta cidadezinha tão amanda está tão carente que mais precisa receber do que dar amor...

Se eu tivesse nascido aqui talvez estivesse anestesiada como muitos que vejo e convivo; sabem de tudo, estão descontentes, mas não conseguem se mexer. Talvez seja anos de água do Rio do Peixe: um pouco faz bem, um pouco durante muito tempo deve ter o condão de entorpecer os sentidos. Talvez eu fosse mais um que liga o rádio para saber que opinião deverei ter...

Outra pergunta aos que estufam o peito para dizer que são joaçabenses e que tudo isto acontece "há mais de vinte anos": Onde vocês estavam este tempo todo??? Fazendo acordos? Recebendo favores? Mamando na "vaca magra"?? Não consigo entender, se sabem que isto acontece há tanto tempo por que deixaram "a cobra se criar"???

Precisa vir gente de fora, "forasteiro" mesmo, para balançar o coqueiro e derrubar a macacada?? Pode ser, talvez alguém de fora consiga ter mais discernimento e ver que há muita coisa errada, de tão errada chega a ser desproporcional ao tamanho da cidade. E se é alguém com um pingo de "sangue nas veias", "fogo nas ventas", como eu, é lógico que não vai conseguir se calar!

Mas nem tudo está perdido, vejo que os "bons" superam em número, só estão acuados. E muita gente me trata como se eu fosse uma conterânea, como quem saiu e voltou (essa é a sensação que tenho, talvez isso seja verdade, afinal eu acredito que vivemos outras vidas passadas e futuras). Me sinto bem ao lado deles, sou feliz aqui. E, para alegria de uns e tristeza de outros, não pretendo ir embora tão cedo...

"Eu cheguei em frente ao portão, meu cachorro me sorriu latindo, minhas malas coloquei no chão. Eu voltei. Tudo estava igual como era antes, quase nada se modificou, acho que só eu mesmo mudei.

E voltei, eu voltei agora é pra ficar porque aqui, aqui é o meu lugar! Eu voltei pras coisas que eu deixei, eu voltei...

Fui abrindo devagar, mas deixei a luz entrar primeiro, todo meu passado iluminei e entrei. Meu retrato ainda na parede, meio amarelado pelo tempo, como a perguntar por onde andei, eu falei: Onde andei não deu para ficar, porque aqui, aqui é o meu lugar, eu voltei pras coisas que eu deixei, eu voltei...

Sem saber depois de tanto tempo, se havia alguém a minha espera, passos indecisos caminhei e parei quando vi que dois braços abertos me abraçaram como antigamente tanto quis dizer e não falei e chorei...

Eu voltei agora é pra ficar porque aqui, aqui é o meu lugar, eu voltei pras coisas que eu deixei, eu voltei, eu voltei, agora é pra ficar porque aqui, aqui é o meu lugar, eu voltei pras coisas que eu deixei, eu voltei."

2 de set de 2009

Pauta da reunião com o prefeito de Joaçaba - abril/2009

Resolvi trazer para cá, para que todos tenham acesso, não somente os "okurteiros". Esta pauta foi postada em abril/09 na comunidade "Joaçaba".

_____________________________________________

Como eu imaginava... Ninguém da comunidade apareceu! Fomos em quatro: a Gigi, a Rosane (amiga da Gigi e empresária), eu e um amigo que se ofereceu ontem à noite durante um jantar, o nome dele é Augusto.

A Gigi e eu já tínhamos noção do que falaríamos, mas a contribuição dos dois foi muito boa, pois ela tratou dos ônibus param de circular enquanto há muita gente trabalhando, deixando o povo sem meio de transporte para voltar para casa. O Augusto pôde questionar coisas do transporte coletivo e dos postos de saúde com maior propriedade, pois é usuário destes serviços.

Com base nos questionamentos levantados aqui na comunidade e em outras conversas fui lendo e o prefeito foi respondendo. O que ele não pôde responder, informou quem poderia...

A reunião foi muito proveitosa e apesar de algumas perguntas serem meio "espinhosas" ele não se furtou de responder nenhuma sequer. Incclusive me telefonou para dar um retorno de uma informação que ele não tinha no momento e que era importante.

Abaixo elencarei as perguntas tal como li para ele e a resposta recebida. Como eu fiz apenas anotações, pode faltar alguma coisa. Gigi me ajuda, corrigindo o que eu errar ou completando o que esquecer, OK?!

1. Tendo em vista que o contrato com a empresa AR que administra a “Zona Azul” termina em setembro deste ano, há previsão para que sejam revistas as práticas? Estou falando do fato da monitoras emitirem o Aviso de Irregularidade, que não sendo pago transforma em multa, apesar do agente público não estar presente no momento da “infração”. E quanto aos 15% dos valores arrecadados que devem ser repassadas para entidades do município, quais entidades estão recebendo este repasse?

R - Como o contrato termina em setembro, antes haverá um debate com a comunidade para tratar deste assunto. Com estes debates poderão ser analisadas as readequações do serviço. Quanto aos 15% de repasse, no ano passado havia uma lei que encaminhava para o Esporte e Obras, mas que os valores arrecadados este ano estão depositados para serem repassados para entidades com cunho filantrópico. O Conselho de Assistência Social é o órgão que vai analisar quais entidades receberão este dinheiro. A Gildete é a melhor pessoa para nos fornecer maiores esclarecimentos.

2. O transporte coletivo de Joaçaba é caro e obsoleto. Há planos para melhorar esta situação? Até quando a Estrelatur possui a concessão este serviço público? A entrada do passageiro pela porta de trás já causou inúmeros acidentes e em outras cidades isto se dá pela frente onde o motorista consegue ver se os passageiros entraram ou não. Parece que os ônibus da Estrelatur são os antigos que foram substituídos em Joinville... (Aqui abriu um leque para mais questionamentos, como ônibus depois das 22:30hs).

R - Existe um contrato de concessão de vinte anos que está sendo analisado pelo Setor Jurídico da PMJ, sendo que em paralelo a esta análise estão coletando as informações quanto à prestação de serviço de transporte urbano, suas falhas, suas carências. Segue aqui a mesma linha de raciocínio do contrato da Blitz Móvel: o interesse público está acima dos interesses pessoais. Vão rever os valores das passagens conforme prometido em campanha. Quanto à precariedade dos veículos, isto também está sendo revisto. Ficou claro que há dificuldade para tratar com a empresa que atualmente possui a concessão. O Procurador do Município poderá nos dar maiores informações (técnicas/jurídicas). (Essa dificuldade de acesso e diálogo foi, inclusive, relatada pelo Augusto que tentou argumentar com o Júnior da Estrelatur...)

3. Sou favorável à publicação dos atos do Executivo em Jornal de circulação diária, mas o contrato com o Raízes Diário é pago por publicação ou por espaço ocupado? Se for por espaço/folha não tem como reduzir o tamanho? Quantas vezes o edital deve ser publicado?

R - Esta contratação foi feita dentro da lei, mas os detalhes de como está sendo pago deve ser visto com o Dpto. Jurídico.

4. Quanto às terceirizações, apesar de ser uma economia imediata, não haverá uma defasagem na previdência do município haja vista que os terceirizados recolhem para o INSS e não está havendo arrecadação por parte da Previdência Municipal? Quem vai custear a aposentadoria dos atuais servidores?

R - As atividades que são terceirizadas são aquelas que não tem como ser ligada à PMJ devido a sua natureza (p. ex. coleta de lixo). Os servidores estão pedindo 15% de aumento de salário e ao mesmo tempo aumento do número de servidores. Dentro da PMJ, nas atividades burocráticas da PMJ são servidores que trabalham.

5. Qual o critério utilizado para vincular o cargo que hoje é ocupado pelo Ipe ao Gabinete do Prefeito? E qual o critério utilizado para que o referido salário seja igual a de um Secretário?

R - A decisão de vincular este cargo ao Gabinete se deu pelo fato de se tornar mais ágil a atuação deste profissional, tendo em vista que ele constata as necessidades mais urgentes, como um buraco, limpeza urbana. O cargo dele é CC3 e não CC1 como divulgado. (Foi esta questão de ser CC1 ou CC3 que o prefeito ficou de retornar, e ele assim o fez: assim que cheguei no escritório recebi uma ligação dele confirmando ser CC3).

6. Há rumores de que professores lotados na Fundação do Esporte não cumprem as horas de trabalho que deveriam, e que há escolas municipais com carência de professor de Educação Física. Isto confere?

R - Os professores que estavam na Fundação do Esporte voltaram para a Secretaria de Educação. Eles terão que trabalhar o número de horas que foram contratados. (Citou o Betinho como parceiro nestes trabalhos).

7. O projeto do Juro Zero é viável? Tem previsão para implantação?

R- Sim é viável e já está sendo preparado. Será um contrato de empréstimo/financiamento em conjunto com uma instituição bancária, onde esta emprestará o dinheiro e o contratante paga somente o capital. Caberá à PMJ pagar os juros. Será vantajoso para a PMJ pagar estes juros, afinal haverá o fomento da economia de Joaçaba. Os valores não serão altos, como mencionado na campanha, é para aos pequenos. Será feito com a menor burocracia possível.

8. Há um edital tratando da reforma do Gabinete na monta de R$15.000,00 aproximadamente. Tendo em vista a redução da arrecadação, não seria mais sensato suspender este gasto, por enquanto?

R - Boa parte das coisas que estão no gabinete foram compradas com dinheiro particular, como as plantas p. ex. A reforma se dará pelo fato do carpete ser muito velho e o prefeito ter alergia. Os móveis permanecerão os mesmos. A reforma vai tornar o ambiente melhor aproveitado.

9. As entidades que atuam no município e que dão suporte para a PMJ recebem repasses mensais que pode-se chamar de vergonhoso, tendo em vista que a iniciativa provada contribui com a maior parcela. Há previsão de aumento destes repasses? Estou falando de entidades como a Creche Irmão Sheila, a APAS, etc.

R - Com certeza tem interesse em aumentar. A começar por este repasse dos 15% da Zona Azul que será revertido. Estas entidades são muito importantes e devem ser atendidas.

10. É intenção deste governo manter os níveis de patrocínio para o carnaval? Não seria a hora de fazer com que as Escolas de Samba buscassem meios para subsistir? E Herval d’Oeste? Porque aquele município não colabora com valores mais robustos?

R - O valor que foi repassado este ano foi reflexo das decisões do ano passado, mas para os próximos anos isto será revisto. Deve-se buscar verbas do Governo Federal, ou através de leis de incentivo. HO também deve comtribuir par ao Carnaval. O prefeito não é contra o Carnaval, apenas acredita que precisa rever estes valores pois exitem muitas necessidades no município, e o dinheiro tem que ser melhor distribuído.

11. Sendo a UNOESC uma entidade filantrópica, não deveria atuar mais efetivamente na comunidade? Ela cumpre sua função social? Há planos pra fomentar essa atuação?

R- Já está havendo contato com a UNOESC para que os trabalhos sejam feitos em conjunto. Na Secretaria de Saúde isso já está acontecendo. No passado a universidade já havia se disposto a atuar mais próximo da comunidade, mas não foi aproveitada. Com certeza a UNOESC tem que ter uma atuação maior, ainda mais por ser filantrópica.

12. Tendo em vista o ocorrido com a empresa Aurora e suas declarações quanto à mudança de postura com relação às novas empresas, há a idéia de incentivar as empresas menores, de pessoas da região, que têm raízes por aqui?

R - Com certeza. São estas empresas que valorizam seus empregados e que têm compromisso com a cidade.(Ele manifestou descontentamento com o ocorrido com a Aurora, e nos informou que "isso não ficaria assim").

13. Como está a situação do rio que tem atrás da PMJ? Existe derramamento de esgoto sem tratamento?

R - A SIMAE está implantando o sistema de esgoto na cidade, começou pelo bairro Santa Tereza e Flor da Serra, mas será em toda a cidade. Está começando a fiscalização com um produto para ver se os dejetos estão sendo jogados no rio. Com o tempo se resolverá esta situação, que é antiga.

14. Os tachões que foram retirados no carnaval serão recolocados?

R - Não só os tachões como as faixas serão pintadas, mas com uma tinta quente para não ter que ficar repintando todo ano. Há um projeto em suas mãos que tratará desta matéria.