1 de ago de 2010

...e o Censo 2010 vai começar!

(publicado no Jornal cidadela em 29/07/2010)



Dois relatos do Novo Testamento descrevem Jesus como tendo nascido em Belém. De acordo com o Evangelho de São Lucas, José e Maria viviam em Nazaré, porém viajaram para Belém para o Censo, e Jesus teria nascido ali antes que a família voltasse para Nazaré. Alguns historiadores rejeitam esta versão pelo fato de acreditarem que o Censo ocorreu no ano 6 dC, seja lá como for o que não podemos negar é a sua importância em nossas vidas.



A palavra Censo vem do latim "census", que quer dizer "conjunto dos dados estatísticos dos habitantes de uma cidade, província, estado, nação etc" e, pelo o que se tem notícia, o mais antigo é o da China, de 2238 a.C. Antigamente, o objetivo mais importante do Censo era saber o número de pessoas disponíveis para fazer a guerra e para a cobrança de impostos.



Hoje os objetivos do Censo realizado pelo IBGE mudaram, agora ele nos ajuda a conhecer melhor o País, os estados e Municípios. Com as informações do Censo, os governos planejam ações e investimentos públicos que melhoram as condições sociais e econômicas do País, como a identificação dos locais onde os investimentos em saúde, educação, habitação, transportes são mais necessários e de áreas que precisam de programas de incentivo ao crescimento econômico, para instalações de pólos industriais que geram desenvolvimento. Definitivamente não dá para ignorá-lo.



Na época de Jesus as pessoas tinham que se deslocar até o local de origem, hoje as coisas se tornaram bem mais fáceis, basta receber bem o recenseador, é ele quem será o responsável pela coleta dos dados de cada um de nós. O futuro da nossa cidade está nas mãos dele e sob nossa responsabilidade. Responder corretamente as perguntas mostrará quem somos e do que precisamos. É uma conversa rápida, coisa de dez a 15 minutos, o tempo para um cafezinho ou um copo de suco, quem sabe?!



Serão 25 perguntas sobre o domicílio (para se saber sobre a qualidade de vida), a emigração internacional (quantos brasileiros estão fora, mesmo que ilegais), os arranjos familiares (como as famílias atuais estão estruturadas), as características dos moradores (para conhecer o perfil da população brasileira), o Registro de Nascimento (verificar quantos ainda não possuem este documento), a educação (para identificar o analfabetismo), e rendimento (para a estratificação da população). Com estas informações já temos um retrato amplo do nosso País.



Algumas pessoas serão sorteadas (pelo sistema do IBGE, sem chance de mudança) para responder a Pesquisa por Amostragem que possui um questionário bem maior, onde outras informações mais detalhadas serão solicitadas. Vai levar uns 40 minutos, dá até tempo de servir uns bolinhos, né?! Talvez mais de um membro precise respondê-lo e, se preciso for, em separado. Todas as informações são sigilosas, não se preocupe nem com os vizinhos, nem com o Fisco...



Os recenseadores estarão identificados com colete e boné azuis, terão o crachá do IBGE e o PDA (uma espécie de celular) em mãos, estes vocês podem e devem receber de braços abertos, é seguro. A “data-base” desde Censo é a virada do dia 31 de julho para o dia 1º. de agosto. Todas as perguntas devem ser respondidas levando em consideração esta data, pois assim os dados ficam mais consistentes e o “retrato” do Brasil sai mais nítido. Quem nasceu depois não conta, quem faleceu depois, sim.



Outra questão que todos nós devemos saber é de como os estudantes serão contados. Joaçaba é uma cidade universitária e temos muitos filhos estudando fora. Estudantes que residem aqui, trabalham e não voltam para casa nas férias devem ser contados como moradores daqui, eles se auto-sustentam, têm vida própria, ficam os 12 meses na cidade. E os que são mantidos pelos pais e vêm para casa nas férias devem ser contados aqui. Isto serviu para mim que tenho uma filha que estuda na USP, mas que é mantida por mim. A Amanda será contada em Joaçaba.



Por conta de toda a polêmica da última contagem, onde uns afirmam que o resultado final não refletiu a realidade da nossa cidade, foi criada uma comissão de trabalho para acompanhar o Censo 2010. São pessoas comuns que estão aliadas ao IBGE no sentido de que tudo dê certo e que saibamos exatamente quanto somos. Eu faço parte por conta da ASSAJHOL, posso dizer que é um grupo preocupado e comprometido com Joaçaba. Outros municípios não foram esquecidos, a AMMOC se faz representar e quem mais tiver interesse, vamos trabalhar juntos.



No mais cabe a cada um de nós recebermos bem o recenseador, ter paciência e boa-vontade para responder as perguntas que ele nos fizer e, em caso de dúvidas, telefonar para o número 0800-721-8181 ou pelo site http://www.ibge.gov.br/censo2010/. É para o bem de Joaçaba, é para o bem de todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário