5 de nov de 2010

Com vergonha de ser sulista:

(publicado no Jornal cidadela em 05/11/2010)

Era para eu estar muito feliz com a vitória da Dilma nestas eleições, afinal de contas eu batalhei para que ela fosse nossa futura presidenta, deixei meus afazeres de lado e fui para o corpo-a-corpo com a população mais carente e mais influenciável pelos boatos e mentiras disseminados nesta campanha. Era para estar ansiosa pelas novas decisões, pelo rumo que o Brasil vem tomando nestes oito últimos anos. Mas não estou feliz, estou muito mal, estou envergonhada. Ser loira, ter olhos azuis e morar no Sul me envergonha...

Imediatamente após a constatação de que a candidata do PT foi muito bem votada nas regiões mais pobres do Brasil, começaram a circular por toda a internet os piores comentários sobre os eleitores da Dilma. Moradores no Norte e Nordeste eram chamados de “feios” e “burros”. Outros incitavam a matar nordestinos para “limpar” o Brasil. O Twitter virou uma avalanche de hashtag #nosdesisto #nordestino. O Brasil virou notícia como um país dividido entre Sul/Sudeste e Norte/Nordeste.

O Orkut também serviu de válvula de escape para a ira dos que não venceram as eleições. Comentários como “eu odeio o Nordeste” estão aos milhares. Pior de tudo que confundem os conceitos, ao ler o que foi escrito fica evidente que para estas pessoas pobreza, feiúra e ser nordestino significam a mesma coisa. Frases enaltecendo o Sul chegam a soar como um “protonazismo” que está se arraigando nas novas gerações. Disso sim eu tenho medo.

Uma vez um senhor me disse que “a boca fala aquilo que o coração está cheio”. No afã de expor sua indignação pela derrota nas eleições, muitas pessoas deixaram o coração transbordar. E o que saiu dali? Veneno! Muito veneno... Ódio, separatismo, sectarismo, preconceito de toda ordem... Estou atordoada de ler, ver e ouvir tudo isto. Não conhecemos mais o verdadeiro significado da palavra “nação”? E desde quando beleza é sinônimo de inteligência? E desde quando ser sulista é ser melhor do que ser nordestino?

Ter 500 anos de opressão sobre o lombo, amargar o cabo da enxada de sol a sol, comer o que Deus manda só pode resultar numa feiúra que chega a ser um tapa na cara de cada um de nós. Este povo pobre é o resultado das nossas relações desiguais. O Lula um dia falou que “quem come bem fica até mais bonito”. Ele está coberto de razão, vejo nos animais que atendo, vão ficando cada dia mais bonitos conforme a comida lhes caem nos estômagos. Aqui nos fartamos a ponto de deitar comida fora, que “bonitos” somos! Comer bem é o primeiro passo para “embelezar” o Brasil...

Eu entendo a revolta de todos estes “branquelos” perfumadinhos: onde já se viu?! São tão melhores que este “povinho” que seus votos deveriam valer por dois! Onde já se viu o voto de um catarinense ou de um paulista valer a mesma coisa?! “Carregamos o Brasil nas costas”! “Valemos mais”! Valemos coisa nenhuma! Só fala uma coisa desta quem matou muita aula de História! O Brasil não cresceu fragmentado, o que somos hoje é o resultado de uma vivência entres as comunidades dos diferentes confins!

Somos mais bonitos aqui no Sul? Sorte nossa que nos “novos escravos” foram importados da Europa. Eram ignorantes e toscos, mas tinham olhos azuis e cabelos de ouro. Agora nos sentimos no direito de acreditarmos que nossa ascendência é melhor que as dos nossos irmãos nordestinos. Não importa nossa cor, somos resultado de gerações que foram humilhadas e que trabalharam muito. Nossa sorte que aqui no Sul “em se plantando tudo dá”. Lá pra cima nada dá, é um trabalho ingrato, a terra é estéril e as forças se esvaem ao longo dos anos.

Confesso que hoje sinto um “quê” de vergonha por ser do Sul, faço questão de deixar claro a todos que não compactuo que estes pensamentos, que a beleza transcende a cor da pele ou a marca da roupa que vestimos. Eu grito aos quatro ventos a minha alegria por aquele povo sofrido ter entendido a lição e visto que a redenção começa pelo prato de comida. Ninguém consegue raciocinar de barriga vazia. Faça o teste você mesmo! Lanço o desafio, fique um dia sem comer nada e veja se o seu trabalho vai render...

Outros insistem em chamar os eleitores da Dilma de “analfabetos”, esquecem que os analfabetos de hoje que votaram na candidata do PT são, na sua maioria, o resultado de um abandono histórico de anos! Basta fazer as contas para verificar que não tiveram escolas durante os governos bem anteriores. 16 anos se exige para que o cidadão se torne eleitor. Percebo por aí que os pais analfabetos não querem isto para seus filhos. Optaram por continuar a receber o Bolsa Família e cumprir com o pressuposto de manter seus pequenos nas salas de aula.

Nada como o voto para fazer a “ficha cair”, para jogar na cara de cada um de nós que não somos em nada melhor e nem pior do que o “retirante nordestino comedor de rapadura” ou o “indígena aculturado com cocar de lantejoulas”. Um voto, uma pessoa. E viva a Democracia!

Um comentário:

  1. Recebi no meu Orkut, vale a pena deixar registrado:

    "zeca:
    Bete, eu li o artigo no Cidadela, já eu sinto pena e raiva ao mesmo tempo do sulista, mas, como diria Jesus Cristo, pai perdô-ai-os que eles não sabem o que fazem, A Direita conseguiu manipulá-los, e usou a mesma estratégia que Hitler usou pra conquistar a simpatia do povo alemão, incutiu neles o sentimento de superioridade. o povo sulista tá ficando muito arrogante e se achando. Na verdade essas pessoas que enchem a boca para dizer que são anti PT, são uns coitados manipulados, que não tem um pingo de discernimento e cegos politicos, vamos pensar nisso?... que pena né?"

    ResponderExcluir