24 de mar de 2011

Região Metropolitana? Aqui? Será?

(publicado no Jornal Cidadela em 18/03/2011)

Vim pronta pra escrever sobre a bomba lançada pelo Fantástico de domingo passado: a máfia das lombadas eletrônicas. Fui atrás dos meus arquivos e não encontrei a pasta que guarda os documentos sobre o assunto. Se vocês lembram houve até audiência pública onde a empresa Kopp (leia-se “côpi” para não confundir com a nossa conterrânea que nada tem a ver com lombadas). Lembro bem que na audiência eu mencionei que, como cidadã, queria ter acesso a todos os documentos pertinentes à contratação dos serviços de monitoramento eletrônico de velocidade. Pedi, mas não levei. Dois anos depois, quem sabe, o Dr. Delegado tenha mais sorte...

Não encontrando os subsídios necessários para não escrever nenhuma bobagem e porque tantos são os ocorridos mal explicados que eu não vou me arriscar a escrever de memória. Melhor falar de um assunto fresquinho como pão saído do forno. Tenho asma, assunto bolorento pode me causar crise (de asma ou de raiva, sei lá). Vou escrever sobre a novidade da semana: a região metropolitana que estão pleiteando que nos tornemos.

Abri minha caixa de e-mails e me deparei com a matéria que diz: “Vereadores defendem criação da Região Metropolitana” - ali alguns vereadores são apontados como apoiadores da causa. Terminada a leitura, ouço no noticiário do meio-dia que diz que a AMMOC está encabeçando esta campanha visando acessar as políticas públicas do Governo Federal para tais regiões, incluindo acesso a programas como o “Minha Casa Minha Vida”.

Devo confessar que eu fiquei um tanto confusa: onde Joaçaba e municípios do entorno caracteriza uma região metropolitana? Não consigo ver uma cidade que se sobressai sobre as outras. Quais cidades fariam parte? Joaçaba está em pé de igualdade com outras próximas, está “à frente” de Herval d’Oeste e Luzerna e olhe lá... Sem contar que a tônica destas regiões e das cidades das quais fazem parte é a unidade social, econômica e espacial, cujos interesses transcendem os limites municipais, numa correspondência entre o fenômeno urbano e a unidade político-administrativa”. Vocês vêem isto por estas bandas? Eu não...

“Uma região metropolitana é um grande centro populacional, que consiste em uma (ou, às vezes, duas ou até mais) grande cidade central (uma metrópole), e sua zona adjacente de influência. Geralmente, regiões metropolitanas formam aglomerações urbanas, uma grande área urbanizada formada pela cidade núcleo e cidades adjacentes, formando uma conurbação. Porém, uma região metropolitana não precisa ser obrigatoriamente formada por uma única área contígua urbanizada, podendo designar uma região com duas ou mais áreas urbanizadas intercaladas com áreas rurais. O necessário é que as cidades que formam uma região metropolitana possuam um alto grau de integração entre si.” (Wikipedia)

Até aí tudo bem, forçando um pouco a barra o Governador Colombo pode até criar uma “Região Metropolitana do Meio-oeste”, mas vocês acreditam mesmo que os cofres do Governo Federal vão se abrir só por conta disto? Ser uma região metropolitana é o único critério para acessar estas verbas e políticas públicas? Creio que não, pelo menos é isto que eu entendo quando leio as notícias e matérias que me caem nas mãos. O Governo Federal está com os olhos voltados para onde há sérios problemas sociais o que, via de regra, se dá nos grandes centros, que em geral são regiões metropolitanas que nasceram ao longo do tempo e de forma desorganizada.

Outra coisa eu confesso: terei que estudar melhor sobre o fato das nossas cidades terem se tornado mais de uma: o que era Herval d’Oeste, hoje é também Joaçaba e Luzerna. Separaram com a alegação que de deviam ser independentes, agora querem juntar tudo só pra receber mais dinheiro lá de Brasília? Já pensaram em se unir novamente e economizar nos salários e demais gastos com as três máquinas administrativas? Fica a sugestão. Eu que vim de fora ainda não entendi direito como conseguiram se transformar em três municípios! Talvez desta mesma estratégia de separação nasça a teoria para reforçar a criação da Região Metropolitana do Meio-oeste... Decisões políticas não têm muito compromisso com a coerência; nunca teve, pelo menos.

Só gostaria de deixar registrado que antes de se desgastarem com esta nova empreitada, que se verifique se realmente teremos direito a tudo o que nos está sendo prometido. Não se esqueçam que saímos pelo Brasil afora nos “gabando” de ser a “Europa Brasileira”, e entre ajudar a “Europa” e a “Etiópia”, eu ajudaria o quem passa fome e não tem teto, ou seja lugares bem distantes das nossas cidadezinhas perdidas nas montanhas sulistas.... Fica o alerta, depois não digam que só sirvo para agourar as coisas, só prefiro pensar bem direitinho antes de “inventar moda”. E depois não adianta sair falando mal da Dilma... Eu que não sou nenhuma cientista política entendi o recado do Governo Federal...

Nenhum comentário:

Postar um comentário