9 de abr de 2011

“Esta vaga não é sua!”

(publicado no Jornal Cidadela em 08/04/11)

Este é o mote de uma campanha que circula nas redes sociais, serve para alertar os “espertalhões” que insistem em usar as vagas reservadas aos deficientes. Pelo visto esta raça, que se acha melhor e mais privilegiada, está espalhada no país inteiro. E (por óbvio) Joaçaba não estaria livre desta praga... Detalhe que a campanha é direcionada para as vagas de deficientes, mas a falta de respeito vai para as dos idosos também. Falta de educação não escolhe vítima.

Volta e meia me deparo com carros estacionados nos espaços preferenciais, já está se tornando regra eu dar minhas voltas no centro e constatar que não há nem respeito e nem fiscalização. Quando vejo quem foi o motorista que cometeu a barbaridade (ou seria “barberagem”?) vou direto e informo que vou chamar a polícia. Falo em chamar a polícia porque as poucas vezes em que chamei as monitoras elas deram de ombros. Só servem pra vender cartão.

Certo dia, fotografei um veículo estacionado irregularmente – ia postar nas redes sociais – o dono veio correndo atrás de mim e questionou o porquê da foto. Apontei para a placa e disse o que iria fazer. Foi a conta para começar a desfiar um rosário de desculpas, até que era deficiente ele alegou! “Como assim? Onde o senhor é deficiente?”. Nenhum sinal de deficiência... “Sou deficiente mental! Quer ver o documento que prova?” Tente imaginar a minha cara! Só um deficiente mental para usar esta desculpa! “E como o senhor dirige um veículo automotor?” Acabou-se a conversa. Ele foi até o carro e o retirou do local.

Esta foi a cena mais pitoresca, mas embates com gente mal educada são comuns. Sábado passado meu marido chamou a atenção de um senhor numa caminhonete de luxo, o sujeito não deu a mínima. Ele foi até a monitora e avisou que iria arrancar o cara a tapa se não fosse feita uma notificação. Eu estava longe, só vi a mocinha do lado do veículo escrevendo algo. Não saberia dizer o que aconteceu, pois nosso cartão venceu e demos a vaga para outro veículo que sinalizava pedindo o espaço.

No domingo, em um restaurante da região, um moço daqueles que parece morar dentro de uma academia estacionou seu carro no portão de entrada e saída. Dentro do pátio havia um carro de um modelo antigo que trouxe vários idosos. Este restaurante tem por costume franquear a entrada de pessoas de mais idade até próximo às mesas pelo fato do acesso ser um pouco íngreme. Na hora em que os idosos tentaram sair se viram impedidos. Aguardaram calmamente alguém se manifestar em ir retirar o tal carro que fechava a passagem. Nem sinal. As pessoas revoltadas começaram a falar alto para ver se o rapaz se dignava a levantar e nada!

Resumo: foi preciso que meu marido se dirigisse diretamente a ele e o informasse que havia idosos derretendo dentro do carro junto ao portão. O rapagão termina de tomar sua cerveja, levanta-se e vai pagar a conta como se a conversa não fosse com ele... Depois de uns 15 minutos dentro do carro os idosos puderam ir para casa. Vê se pode? Parece que o moço nunca vai ficar velho! Pior de tudo é que todos sabem que é bem este tipo de gente que quando chegar aos 60/65 anos vai exigir todos os direitos inerentes à sua idade...
 
Falando em direito, será que estas pessoas, que não se furtam em usurpar o direito alheio, sentem-se confortáveis ao falar mal da corrupção na política? Não estarão estes nas mesas de bar falando que este ou aquele político é sem-vergonha? Ou apontando as falhas da administração local? Apontam as falhas alheias de forma impiedosa, mas as para as suas têm sempre boas desculpas. Perdem o direito de criticar a partir do momento que fazem parte do problema e não da solução.

E para os que esperavam que eu escrevesse sobre o relatório da CPI da Agricultura só posso adiantar que aquilo de Joaçaba ter dois Prefeitos, um na cidade e outro no interior, explica muita coisa: “Cachorro com dois donos morre de fome”! No mais prefiro esperar os desdobramentos que já prevejo...

Endereço no Twitter: @estavaganaoesua
Endereço do Blog: http://www.webwriters.com.br/p/esta-vaga-nao-e-sua-nem-por-um-minuto.html

Um comentário:

  1. Quer um exemplo horrível da falta de respeito aos que tem dificuldade de acessibilidade:

    Ônibus CATARINENSE 2406 adesivo de acessibilidade,selo do INMETRO de 20.12.2010 nº0018009,ñ tem equipamentos para tal, a empresa usar os adesivos é no mínimo propaganda enganos, mas o INMETRO colocar o adesivo eu não entendo.

    ResponderExcluir