27 de jul de 2011

De 2009 para 2011...

(publicado no Jornal Cidadela em 22/07/11)

Esta semana estava sem saber qual assunto escolher para compartilhar vocês, queria tanto poder escrever algo de bom, algo que desse uma nova energia a todos nós. Assunto desagradável não me faltaria, afinal de contas a Administração Rafael Laske vem caprichando no quesito “decepção”, não é mesmo? Depois vêm com uma conversa mole sobre haver “pessoas do mal” na cidade, que torcem contra, que só criticam e não se dispõem a ajudar e blá blá blá...

Revendo meus escritos que estão todos arquivados no “Boteco da Bete”, encontrei um e-mail que enviei, lá em 2009, para o Prefeito. Reli todo o texto vejo que praticamente nada mudou de lá pra cá. Ou melhor, mudou sim: lá eu ainda acreditava nesta Administração! Contudo minha posição em querer ajudar no que for preciso ainda está de pé. Hoje peço licença para trazê-lo a este espaço e que vocês tirem as conclusões que quiserem:


“Caro Prefeito Rafael:

Tendo em vista que já se passaram 10% do seu mandato e até o momento nada de novo ou de melhor está acontecendo em nosso município, venho externar minha decepção com relação à atuação do Poder Executivo de Joaçaba.

Aos 36 anos nunca havia me entrincheirado em campanhas políticas, sequer tinha ido a um comício, mas ao vislumbrar em você a possibilidade de que algo melhor pudesse acontecer para nossa população, vesti a camisa, "adesivei" meu carro e minha moto, pedi votos a todos os conhecidos e desconhecidos...

Não sou uma alienada política, mas sempre procurei me manter afastada de tudo o que me fizesse mal. Aprendi uma lição no ano de 1986 quando vi o empresário Antônio Ermírio de Moraes definhar diante das câmeras durante uma campanha para o governo de São Paulo. Ele, um homem que certamente estava pleno de boas intenções, foi destruído por seus opositores. Aprendi com ele a me manter afastada da política(gem).

Apesar de minhas convicções me impedirem de votar no PFL/DEM, passei por cima dos meus princípios e votei neste partido. Nem tanto por isso, afinal as siglas partidárias há muito já perderam sua razão de ser, mas pelo fato de conhecer a história de nosso país. Nesta última eleição dei prioridade à pessoa e não ao político. Talvez aí esteja meu maior desalento. Tinha esperança de ver as promessas sendo cumpridas, pelo menos as menores.

Do Secretário de Saúde recebi a informação de que na segunda quinzena de abril iniciaríamos as discussões para tratar das políticas públicas para o controle das zoonoses e população de animais de rua. Prefeito, estamos em maio!

Deste mesmo Secretário recebo a orientação de procurar o Ministério Público para resolver assuntos pertinentes à Vigilância Sanitária. Isso sem mencionar que eu acreditava que encontraria neste órgão amparo para a solução de outros problemas que afligem nossa comunidade, quais sejam: envenenamentos, estabelecimentos irregulares, pessoas doentes por conta do contato com animais, etc.

Na causa animal tudo continua exatamente como nos tempos anteriores: uma meia dúzia de pessoas arcando financeiramente e trabalhando para suprir a lacuna da obrigação legal do município. Já fomos cobrados por agentes de saúde do bairro Menino Deus do porquê de não fazermos a vacina antirrábica nos animais. Será desconhecimento ou má-fé? De quem é a obrigação de evitar futuras epidemias? Minha? Dos poucos voluntários da ONG??

São muitos os assuntos que me entristecessem, outro é o caso do terreno que será revertido para a Prefeitura de Joaçaba, que antigamente estava cedido em comodato para o Lar da Criança: Ninguém me falou, eu vi e ouvi, pois fui uma das pessoas que se abalou até Florianópolis para conseguir reverter este imóvel para o Lar do Idoso. Ou melhor, só estamos conseguindo esta reversão por conta dos argumentos que utilizamos no sentido de Joaçaba precisar urgentemente de uma entidade desta modalidade.

Fiquei perplexa ao ouvir do Procurador do Município que "o terreno é muito Grande para o Lar do Idoso". Somos nós que estamos correndo atrás de tudo e de todos para que seja possível a instalação desta entidade em nosso município! Mais uma vez é o terceiro setor lutando para trabalhar, para atuar em conjunto com o Poder Público onde este não tem atuação, apesar de não faltarem dispositivos legais para isso.

Costumo ler os editais que são publicados diariamente em jornal local, sinto que está havendo uma enxurrada de terceirizações, que num primeiro momento é menos oneroso, mas que em breve mostrará sua face nefasta quando do esvaziamento da Previdência Municipal. Quem vai arcar com as aposentadorias futuras? Está havendo um estudo sério sobre os impactos destas terceirizações?

Há muita coisa errada, se por sua responsabilidade ou não, não sei, mas chega de acusar o mandato passado, até mesmo porque todos sabemos que muitos que estão hoje, estiveram ontem...

Tive oportunidade de ver a previsão de orçamento para 2010, novamente o Carnaval em detrimento da população carente... Lembra de uma reunião em que eu perguntei à você sobre este assunto? Ouvi como resposta que os valores seriam revistos, que as prioridades seriam outras... Mais uma vez sinto que estou sendo ludibriada.

Vou acompanhar muito de perto esta questão do orçamento, poderei ser apenas uma voz na multidão, mas não vou deixar de gritar que há crianças precisando de salas de aula, que há doentes sendo levados para cidades longe daqui, que não há saneamento básico adequado em grande parte da cidade, que há grupos tentando fomentar outro tipo de cultura, que a violência está tomando forma e força, etc etc etc...

São tantas as coisas que vêm me incomodando que não pude deixar de externar pelo menos algumas, afinal de contas sou uma pessoa transparente e acredito que as mágoas guardadas são futuras doenças a serem combatidas. Não posso perder o sono, não posso perder minha saúde por não me manifestar.

Espero sinceramente que nosso município não seja administrado à sombra do Ministério Público, do Tribunal de Contas do Estado, ou de outros sem número de órgãos fiscalizadores. Eu quero uma cidade melhor!

Da minha parte pode sempre contar comigo, estarei sempre disposta a ver uma Joaçaba melhor, mais saudável, mais democrática, mais acessível. O que estiver a meu alcance não me furtarei em arregaçar as mangas. Estou fazendo uma especialização em Direito Municipal, assim poderei entender melhor os meandros que envolvem nossa Prefeitura e Câmara de Vereadores e ser efetivamente útil.

Este e-mail está sendo enviando com cópia aberta para todos os vereadores do município, afinal essas minhas palavras se estendem a todos, uns mais outros menos merecedores de lê-las, mas que fiquem cientes que sonho com uma Joaçaba que ainda é possível.

Um forte abraço,
Elisabete Margot Vieira
Advogada e ativista de plantão.

PS - peço desculpas se o pronome de tratamento não foi utilizado de forma correta, mas foi proposital, afinal de contas estamos todos na mesma luta, somos todos iguais, não é mesmo?!”

Nenhum comentário:

Postar um comentário