28 de nov de 2011

Uma cidade “projetada”:

(publicado no Jornal Cidadela em 25.11.11)

Brasília e Petrópolis são dois exemplos de cidades projetadas, aquelas que nascem na cabeça de alguém e depois se tornam reais. Recife nos tempos dos holandeses também fora. O resto nasceu de um aglomerado que foi se espraiando até atingir os tamanhos atuais e, consequentemente, suas questões atuais. Nascem soluções que tentam resolver seus problemas estruturais. Soluções estas que são planejadas através de projetos. Depois do projeto criado é tratar de colocá-lo em prática.

Ouso dizer que Joaçaba também pode ser chamada de “projetada”. Estou pra ver uma cidade com tanto projeto! Não tem um mês que a Assessoria de Imprensa da Prefeitura não lance alguma matéria pronta para nossa imprensa preguiçosa. É copiar, colar, publicar e deixar todos na expectativa. Pior de tudo é que muitas vezes só o fato de ter sido noticiado a polêmica já está feita e o povo tem assunto por uma semana.

A “bola da vez” é o tal Parque Municipal, lançado tão de afogadilho que parece que foi para desviar a atenção da população. Agora o debate está em torno da demolição (ou não) do Estádio. O povo deixa de olhar para o buraco e presta atenção no elefante branco. Mais um lançamento divulgado mais para distrair do que resolver alguma questão. O Velho Guerreiro (Chacrinha)  deve ser a fonte de inspiração de alguns por aí: "Eu vim para confundir, não para explicar!"

Teve um grupo que até se adiantou e reuniu mais de 1.500 assinaturas mostrando a vontade de muitos de que o Estádio não seja demolido. Anteciparam-se demais. Levando em consideração os projetos lançados e não implementados, o Estádio até pode cair, mas de velho e não por força de uma demolição. Alguém acredita que um parque irá surgir assim do dia pra noite? Tapar um buraco leva oito meses... Fiquem tranquilos, é só mais uma brincadeira de quem ainda não cresceu.
Assim de pronto lembro-me de alguns outros projetos lançados com pompa e circunstância e que, ao que eu saiba, não foram levados a cabo:

- Projeto de instalação de radar para pouso por instrumentos no Aeroporto Santa Terezinha;
- Projeto de esporte comunitário;
- Projeto do Centro Especializado de Triagem de Animais Silvestres.
- Projeto de asfaltamento do Distrito Industrial até Nova Petrópolis;
- Projeto de Revitalização da Praça Adolfo Konder, ao lado da Prefeitura;
- Projeto da Ponte da Roberto Trompowsky - Av. XV de Novembro;
- Projeto de contenção do Morro do Monumento Frei Bruno;
- Projeto de Ligação Asfáltica do Bairro Menino Deus com o Nossa Senhora de Lourdes;
- Projeto do Anel Viário; etc.

E agora temos os Projetos do Acesso Adolfo Zighelli e do Parque Municipal. Nesta quarta-feira ouvi que a prioridade é para o primeiro. Até mesmo porque é difícil imaginar um mandato que consiga, ao apagar das luzes, desapropriar moradores, transferir o Tiro de Guerra para sua nova sede, desalojar uma entidade beneficente que vive socorrendo a Secretaria de Ação Social... Dou a este projeto outro nome: “bobby trap” (no popular: engana bobo).

Nenhum comentário:

Postar um comentário