31 de dez de 2011

Conheça os catarinenses que estão entre os escravagistas brasileiros:

Vergonha! 


Em pleno século XXI o Ministério do Trabalho tendo que resgatar trabalhadores em situação análoga a de escravo no estado que se diz a Europa brasileira! 


Boicotem! Divulgem!


[entre parênteses o número de resgatados e a data]

Adão de Góes - 592.275.599-49 - Rod. SC-428, Zona Rural, Imbuia (28 em dezembro/10)
Agroflorestal Tozzo S.A. - 02.298.006/0002-01 - Fazenda Santo Antonio, Vila Bela Planície, s/n, Passos Maia (18 em dezembro/10)
Danilo Marcolino Faccio - 031.830.259-49 - Fazenda Pesqueiro de Cima, Zona Rural, Xanxerê (15 em julho/11)
Dario Sczimanski - 026.596.899-20 - Fazenda Santa Maria, Zona Rural, Porto União (7 em dezembro/10)
Dissenha S/A Indústria e Comércio - 81.638.264/0007-62 - Fazenda São Roque, Estrada Geral de Calmon, s/n, Zona Rural, Calmon (25 em dezembro/10)
Ervateira Linha Alegre Ltda-ME - 05.591.323/0001-10 - BR 282, Zona Rural, Pesqueiros, Bocaina do Sul (5 em julho/11)
Ervateira Regina Ltda. - 84.585.470/0001-54 - Rod. BR-282, Km 410, s/n, Catanduvas (12 em dezembro/10)
Ervateira Tradição da Palmeira Ltda. - 94.648.284/0001-70 - Fazenda São Jorge e Nossa Senhora das Graças – Zona Rural de Petrolândia (13 em julho/08)
Gilmar José Mocelini - 568.403.069-68 - Zona Rural, Linha Santa Catarina, ao lado da Rod. SC 283, sentido Chapecó/Seara, Arvoredo (40 em julho/11)
L. Schmaedecke Com. e Indústria Ltda. - 84.933.969/0001-05 - Fazenda Rincão, Km 251, da BR 116, Zona Rural, Correia Pinto (5 em julho/11)
Madecal Agro Industrial Ltda. - 83.053.777/0002-22 - Fazenda Butiá, Linha Goiabeira, Zona Rural, Calmon (7 em dezembro/10)
Marcus Aristóteles Zilli - 041.320.049-37 - Rod. SC 430, Km 14, Localidade de Panelão, Zona Rural, Urubici (5 em dezembro/11)
Maxiplast Agropecuária Ltda. - 78.273.125/0003-44 - Estrada Geral, Zona Rural, Calmon (12 em julho/11)
Móveis Rueckl Ltda. - 85.907.012/0001-57 - Fazenda Campo Grande – Rio Negrinho (1 em julho/07)
Transportes Ari Barbieri Ltda. - 72.316.540/0001-90 - Rua Sete de Setembro, s/n, Lindóia do Sul (6 em dezembro/11)
Wilson Zemann - 791.249.419-72 - Banhados, Zona Rural Rio Negrinho (22 em dezembro/11)

CADASTRO DE EMPREGADORES – PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 02 DE 12 DE MAIO DE 2011 - ATUALIZADA EM 30 DE DEZEMBRO DE 2011

26 de dez de 2011

Uma Joaçaba que ninguém quer ver...

(publicado no Jornal Cidadela em 22/12/2011)

Joaçaba se orgulha de ter um dos melhores IDH do país, parece até que vive num mundo encantado onde problemas sociais só existem do outro lado da ponte, por vezes ouço um que outro discurso dando a entender que se temos problemas é porque a “vizinha pobre” não faz sua parte. Ledo engano! Está mais do que na hora de descermos do pedestal o olhar para a Vila Cordazzo, para o bairro Armindo de Medeiros Haro, para a “Vaca Preta”, para a Vila Cachoeirinha... Fingir que não existem, ou só lembrar-se deles em tempos de campanha já não é mais admissível. Os problemas estão saltando aos olhos, não dá mais para disfarçar.

Por conta do trabalho junto à ONG de proteção animal a gente acaba indo a lugares que nunca podia imaginar existir, coisa deprimente de ver: falta de saneamento básico, falta de moradia, lixo, mato, violência... A gente vai para socorrer um animal e tem vontade de morrer ao ver que nossa ação não alcança os seres humanos. Algumas vezes nem consigo saber se quem merece o socorro é o animal ou o ser humano. Deprimente é pouco para definir as realidades que venho constatando. Não bato fotos por respeito a aqueles que já têm a dignidade enxovalhada, seria humilhá-los mais ainda (se é que isto é possível...)

Moro relativamente perto da Vila Cachoeirinha, faz tempo que vou ali. A ACOMAR sempre recebe o material reciclável que separo na minha empresa e na minha casa. Agora que o bairro tem uma nova diretoria da Associação de Moradores venho dando minha contribuição sempre que sou chamada. Ali parece que se rompeu aquela relação viciosa com políticos e aliados que, por meio de ações populistas, mantêm o povo na mesma situação de curral eleitoral. Pelo menos ali esta relação doentia parece ter se quebrado, a nova presidente da Associação de Moradores está interessada em ver a comunidade se desenvolver, tem “comido o pão que o diabo amassou”, mas acredito na sua competência e determinação.

Uma onda de violência vem acometendo a comunidade, um assassinato se deu por conta de um desentendimento entre conhecidos, morte entre moradores. Brigas entre vizinhos têm sido uma constante. Ameaças são constantes, chega a dar medo. Todos os problemas que são constatados naquela comunidade poderiam ser resolvidos se o Poder Público tivesse interesse em resolver a questão habitacional. Aquilo é um amontoado de casebres onde nada pode ser feito e nada será feito até que se regularize esta situação e que cada morador tome consciência de que tem direitos, mas também deveres.

Dia 06 de dezembro o Promotor de Justiça e alguns servidores da Secretaria de Ação Social estiveram na Vila Cachoeirinha para uma conversa sobre o que aflige aquele povo (ouvi dizer que o Delegado também fora convidado – não estava ali). Fiz alguns apontamentos sobre o que aconteceu ali:

ü  Levantou-se a questão das casas serem muito próximas umas das outras e o Promotor explicou que isto acontece sempre quando a ocupação não tem planejamento. Disse que agora precisa ser pensada a solução para este problema, demolir “esta ou aquela” é impossível, mas um esquema que pode funcionar é “casa desocupada não pode ser reocupada”.

ü  A maior parte do terreno é da PMJ o que inviabiliza o Usucapião. A regularização fundiária passa por um estudo, um projeto, delimitando-se as áreas e tornando as pessoas proprietárias. Com isso ocorrerá a melhoria na infraestrutura. E também não se pode esquecer de que “ter uma casa sua caracteriza que agora você tem que cumprir com os compromissos como cidadão”. Mas para tudo isso acontecer o município tem que dar o “start” e iniciar o programa/projeto.

ü  A ocupação se deu através de autorizações não formais de antigos Prefeitos – Evandro e Raul Furlan. O Normélio Zílio chegou a construir algumas casas de alvenaria no local. Quando as pessoas explicaram que as pessoas foram vendendo os imóveis, o Promotor lembrou que “casa da COHAB não foi feita para ser vendida, foi feita para ir pagando e morar nela”. E que a regularização do que se vê na Vila Cachoeirinha não pode ser feita pela via judicial e sim pela via política e administrativa.

ü  O Promotor sugeriu à comunidade que buscassem junto ao Prefeito o cumprimento de um cronograma de ação, passando por uma lei e efetivando as ações. Como o Secretário Venilton confirmou que não existe nenhum projeto junto ao Ministério das Cidades, ficou decidido que seria criada uma comissão de moradores para tratar do assunto da Habitação e que esta mesma comissão trabalharia em conjunto na solução dos demais problemas existentes no bairro, lembrando que ninguém tem intenção de ser retirado do terreno, que a solução deve sempre ser discutida e as tratativas acompanhadas pela Comissão.

Ao final da reunião o Secretário Venilton telefonou para o Prefeito e marcou uma reunião com a Comissão recém formada para o dia 15/12/11, 19hs, no Gabinete. Todos ficaram satisfeitos. Descobriu-se que nunca e em momento algum existiu projeto para a revitalização da Vila Cachoeirinha junto ao Ministério das Cidades, mas agora o povo dali seria protagonista na mudança de seu destino. Ansiedade a mil até às 15:00h do dia 15 (quinta-feira), quando telefonam do Gabinete avisando que a dita reunião não constava na agenda do Prefeito e que este estava em viagem à Florianópolis...

Agora, chato mesmo foi um morador da Vila Cachoeirinha me cercar no sábado de manhã para me contar que na noite daquele mesmo dia o moço estava todo lépido e fagueiro na festa do bairro Santa Tereza... Pegou mal, vergonha alheia. Se ia se atrasar era só pedir para que a reunião fosse um pouco mais tarde, o povo trabalha, à noite é o melhor horário mesmo. Depois ficam de “mimimi” dizendo que somos nós que estamos fazendo política partidária... Não meçam os voluntários pelas suas estaturas, eles estão acima deste jogo sujo de eleições, cargos, favores. Lutam para melhorar o mundo à sua volta, esta Joaçaba que ninguém quer ver...

23 de dez de 2011

Ação Direta contra Belo Monte no Coral Bradesco:

Não tenho opinião formada quanto Belo Monte, só fiquei com um pé quando vi os "globais" se manifestando. Acho interessante as lutas destes jovens engajados e ficou mais interessante ainda ao ver que a imprensa "isenta e bem paga" ignorou solenemente. Fica o registro:

 

21 de dez de 2011

Agora sai a CPI da PRIVATARIA TUCANA! Lista de assinaturas!

Não há como retirar assinatura: CPI tem número regimental para ser instalada. Depois de verificadas as assinaturas que não conferiam e as em duplicata, 185 deputados, 14 a mais que o necessário, assinaram o pedido de CPI da Privataria feito pelo Deputado Protógenes Queiroz.




Eis a lista completa, retirada do documento oficial da mesa da Câmara:
1 ABELARDO CAMARINHA PSB SP
2 ADEMIR CAMILO PSD MG
3 ADRIAN PMDB RJ
4 ALBERTO FILHO PMDB MA
5 ALESSANDRO MOLON PT RJ
6 ALEXANDRE LEITE DEM SP
7 ALICE PORTUGAL PCdoB BA
8 ALINE CORRÊA PP SP
9 ALMEIDA LIMA PPS SE
10 AMAURI TEIXEIRA PT BA
11 ANDRÉ FIGUEIREDO PDT CE
12 ANDRE MOURA PSC SE
13 ANDRE VARGAS PT PR
14 ÂNGELO AGNOLIN PDT TO
15 ANGELO VANHONI PT PR
16 ANÍBAL GOMES PMDB CE
17 ANTHONY GAROTINHO PR RJ
18 ANTONIO BALHMANN PSB CE
19 ARIOSTO HOLANDA PSB CE
20 ARNON BEZERRA PTB CE
21 ARTUR BRUNO PT CE
22 ASSIS CARVALHO PT PI
23 ASSIS DO COUTO PT 23 PR
24 ASSIS MELO PCdoB RS
25 BETO FARO PT PA
26 BIFFI PT MS
27 BOHN GASS PT RS
28 BRIZOLA NETO PDT RJ
29 CABO JULIANO RABELO PSB MT
30 CARLOS ZARATTINI PT SP
31 CHICO ALENCAR PSOL RJ
32 CHICO D’ANGELO PT RJ
33 CHICO LOPES PCdoB CE
34 CIDA BORGHETTI PP PR
35 CLÁUDIO PUTY PT PA
36 CLEBER VERDE PRB MA
37 DANIEL ALMEIDA PCdoB BA
38 DANILO FORTE PMDB CE
39 DELEGADO PROTÓGENES PCdoB SP
40 DEVANIR RIBEIRO PT SP
41 DOMINGOS DUTRA PT MA
42 DR. GRILO PSL MG
43 DR. JORGE SILVA PDT ES
44 DR. PAULO CÉSAR PSD RJ
45 DR. ROSINHA PT PR
46 DR. UBIALI PSB SP
47 EDINHO ARAÚJO PMDB SP
48 EDSON EZEQUIEL PMDB RJ
49 EDSON SILVA PSB CE
50 EFRAIM FILHO DEM PB
51 ELCIONE BARBALHO PMDB PA
52 ELIANE ROLIM PT RJ
53 EMILIANO JOSÉ PT BA
54 ENIO BACCI PDT RS
55 ERIKA KOKAY PT DF
56 EUDES XAVIER PT CE
57 EVANDRO MILHOMEN PCdoB AP
58 FÁTIMA BEZERRA PT RN
59 FERNANDO FERRO PT PE
60 FERNANDO FRANCISCHINI PSDB PR
61 FERNANDO MARRONI PT RS
62 FRANCISCO ARAÚJO PSD RR
63 FRANCISCO ESCÓRCIO PMDB MA
64 FRANCISCO PRACIANO PT AM
65 GABRIEL GUIMARÃES PT MG
66 GERALDO SIMÕES PT BA
67 GIACOBO PR PR
68 GIVALDO CARIMBÃO PSB AL
69 GLAUBER BRAGA PSB RJ
70 GONZAGA PATRIOTA PSB PE
71 HENRIQUE FONTANA PT RS
72 HENRIQUE OLIVEIRA PR AM
73 IRACEMA PORTELLA PP PI
74 IVAN VALENTE PSOL SP
75 IZALCI PR DF
76 JAIR BOLSONARO PP RJ
77 JANDIRA FEGHALI PCdoB RJ
78 JANETE CAPIBERIBE PSB AP
79 JANETE ROCHA PIETÁ PT SP
80 JÂNIO NATAL PRP BA
81 JEAN WYLLYS PSOL RJ
82 JÔ MORAES PCdoB MG
83 JOÃO ANANIAS PCdoB CE
84 JOÃO PAULO CUNHA PT SP
85 JOÃO PAULO LIMA PT PE
86 JORGINHO MELLO PSDB SC
87 JOSÉ DE FILIPPI PT SP
88 JOSÉ GUIMARÃES PT CE
89 JOSÉ MENTOR PT SP
90 JOSE STÉDILE PSB RS
91 JOSEPH BANDEIRA PT BA
92 JOSIAS GOMES PT BA
93 KEIKO OTA PSB SP
94 LAERCIO OLIVEIRA PR SE
95 LAUREZ MOREIRA PSB TO
96 LEONARDO MONTEIRO PT MG
97 LINCOLN PORTELA PR MG
98 LOURIVAL MENDES PTdoB MA
99 LUCI CHOINACKI PT SC
100 LUCIANA SANTOS PCdoB PE
101 LUCIANO CASTRO PR RR
102 LUIZ ALBERTO PT BA
103 LUIZ CARLOS PSDB AP
104 LUIZ COUTO PT PB
105 LUIZ NOÉ PSB RS
106 LUIZA ERUNDINA PSB SP
107 MANATO PDT ES
108 MANUELA D’ÁVILA PCdoB RS
109 MARCELO MATOS PDT RJ
110 MÁRCIO MACÊDO PT SE
111 MARCON PT RS
112 MARCOS MEDRADO PDT BA
113 MARCOS ROGÉRIO PDT RO
114 MARINA SANTANNA PT GO
115 MARLLOS SAMPAIO PMDB PI
116 MAURÍCIO QUINTELLA LESSA PR AL
117 MAURO BENEVIDES PMDB CE
118 MAURO LOPES PMDB MG
119 MENDONÇA PRADO DEM SE
120 MIRIQUINHO BATISTA PT PA
121 MIRO TEIXEIRA PDT RJ
122 NAZARENO FONTELES PT PI
123 NELSON BORNIER PMDB RJ
124 NELSON MARCHEZAN JUNIOR PSDB RS
125 NELSON MARQUEZELLI PTB SP
126 NELSON PELLEGRINO PT BA
127 NEWTON LIMA PT SP
128 ONOFRE SANTO AGOSTINI PSD SC
129 ONYX LORENZONI DEM RS
130 OSMAR JÚNIOR PCdoB PI
131 OSMAR SERRAGLIO PMDB PR
132 PADRE JOÃO PT MG
133 PADRE TON PT RO
134 PASTOR MARCO FELICIANO PSC SP
135 PAUDERNEY AVELINO DEM AM
136 PAULO FEIJÓ PR RJ
137 PAULO FOLETTO PSB ES
138 PAULO FREIRE PR SP
139 PAULO PIMENTA PT RS
140 PAULO RUBEM SANTIAGO PDT PE
141 PAULO WAGNER PV RN
142 PEDRO UCZAI PT SC
143 PEPE VARGAS PT RS
144 PERPÉTUA ALMEIDA PCdoB AC
145 POLICARPO PT DF
146 PROFESSOR SETIMO PMDB MA
147 RAIMUNDÃO PMDB CE
148 REBECCA GARCIA PP AM
149 REGINALDO LOPES PT MG
150 REGUFFE PDT DF
151 RENAN FILHO PMDB AL
152 RICARDO BERZOINI PT SP
153 RICARDO IZAR PSD SP
154 ROGÉRIO CARVALHO PT SE
155 ROMÁRIO PSB RJ
156 RONALDO FONSECA PR DF
157 RONALDO ZULKE PT RS
158 RUBENS BUENO PPS PR
159 RUBENS OTONI PT GO
160 SANDES JÚNIOR PP GO
161 SANDRO ALEX PPS PR
162 SEBASTIÃO BALA ROCHA PDT AP
163 SEVERINO NINHO PSB PE
164 SIBÁ MACHADO PT AC
165 SILVIO COSTA PTB PE
166 SUELI VIDIGAL PDT ES
167 TAUMATURGO LIMA PT AC
168 TIRIRICA PR SP
169 VALDEMAR COSTA NETO PR SP
170 VALMIR ASSUNÇÃO PT BA
171 VANDER LOUBET PT MS
172 VANDERLEI SIRAQUE PT SP
173 VICENTE CANDIDO PT SP
174 VICENTINHO PT SP
175 VIEIRA DA CUNHA PDT RS
176 WALDENOR PEREIRA PT BA
177 WALTER TOSTA PSD MG
178 WASHINGTON REIS PMDB RJ
179 WELITON PRADO PT MG
180 WELLINGTON FAGUNDES PR MT
181 WEVERTON ROCHA PDT MA
182 WILSON FILHO PMDB PB
183 WOLNEY QUEIROZ PDT PE
184 ZÉ GERALDO PT PA
185 ZOINHO PR RJ
SÓ QUATRO DE SANTA CATARINA???
E aí povo?? 
Mauro Mariani (PMDB)
Esperidião Amin (PP) 
Paulo Bornhausen (DEM) 
João Rodrigues (DEM) - Foi pro PSD - tá explicado!
Décio Lima (PT)
 Bete Vieira 

@ 
 uma pergunta: é sr não assinou o pedido de abertura da ? Verdade?

 Décio Lima 

@ 
 naquela semana estava envolvido com caso de doenca na familia, mas apoio sim que as denuncias no livro sejam apuradas.
Rogério Mendonça - Peninha (PMDB) 
Odacir Zonta (PP) 
Marco Tebaldi (PSDB) 
Edinho Bez (PMDB) 
Celso Maldaner (PMDB)
Ronaldo Benedet (PMDB) 
Jorge Boeira (PT) - Foi pro PSD - tá explicado!

Sobre o assassinato de Marcelino Chiarello - OI some com dados do celular...


Passados vinte e dois dias da morte de Marcelino Chiarello, moradores da cidade de Chapecó, oeste do estado, reuniram-se para exigir agilidade na apuração do caso e punição dos responsáveis. 


Se a principio a morte do vereador parecia suicídio (por enforcamento), rapidamente apurou-se que o vereador de Chapecó tinha sido assassinado e o suicídio forjado quase num tom de escracho, já que Marcelino tinha marcas aparentes de agressões no corpo todo e o rosto ensanguentado devido à pancadas na cabeça. 

O vereador, que também era professor de sociologia num colégio estadual de Chapecó, dava aula pouco tempo antes de sua morte. Os alunos acharam que o professor estava estranho já que saia várias vezes para atender o celular, coisa que nunca fazia.

Na investigação do assassinato de Chiarello a análise do celular do vereador apontou que foram apagados todos os registros de ligação pela OI. Segundo o delegado parece que o celular nunca existiu! (Informo que o número de Marcelino era da Oi, recentemente fundida com a Brasil Telecon, antiga TELESC). Sem dúvidas há "gente grande" envolvida na morte de Chiarello, e se me dessem a permissão de apostar nomes, um deles com certeza teria as iniciais JR.

Dentre as denuncias feitas por Chiarello estão:

Transporte coletivo: Contrato sem licitação e irregularidades nas planilhas de gastos. RESULTADO: O MP evitou que o contrato fosse renovado automaticamente com a mesma empresa por mais 20 anos e exigiu uma nova licitação. Chiarello também apontou irregularidade nas planilhas de custos o que evitou o aumento da tarifa.

Venda de Terrenos Públicos: RESULTADO: o MP determinou o cancelamento do leilão de venda de terrenos que deveriam servir a comunidade.

Lombadas eletrônicas: licitação direcionada e 65% do valor das multas repassados à empresa, o que é ilegal. RESULTADO: Após as provas enviadas à Promotoria, decisões judiciais tornaram indisponíveis os bens do prefeito João Rodrigues (PSD) e do presidente da empresa na época.

Subvenções Sociais: desvio de recursos pela subprefeitura da Efapi. RESULTADO: Uma decisão judicial determinou o afastamento do subprefeito da Efapi que no caso era Dalmir Pelicioli (PSD).

Do Náuseas

Novas fotos da manifestação de ontem:


20 de dez de 2011

Animal não é descartável para ser jogado fora!



Por favor! Não dê bicho de presente neste Natal... Janeiro é um mês terrível para os protetores... Depois de feiras de animais e de férias nas praias o que mais a gente encontra é animal adquirido por impulso perambulando tristes pelas ruas... 

Este vídeo é parte de um trabalho bem bacana de uns alunos da UNOESC, há um áudio que passou nas rádios locais. Vou tentar encontrar daí posto aqui.

Fica para a reflexão nestes dias onde o verbo "comprar" passa do limite do razoável...

19 de dez de 2011

Novos escravos? - Brasil Foods é multada em quase R$ 5 milhões

A BRF Brasil Foods S.A. de Capinzal, em Santa Catarina, que responde por 9% das exportações mundiais de proteína animal e é a única companhia do Brasil com rede de distribuição de produtos em todo o território nacional, foi multada em quase R$ 5 milhões, por descumprir decisão judicial. A Unidade que abate cerca de 450.000 frangos/dia, emprega hoje 4.500 pessoas das quais 20% tem algum tipo de doença ocupacional. 

No dia 8 de fevereiro de 2010, a Juíza da Vara do Trabalho de Joaçaba, Lisiane Vieira, concedeu tutela antecipada em ação movida pelo Ministério Público do Trabalho obrigando a empresa a conceder pausas de recuperação de fadiga de 8 minutos a cada 52 minutos em atividades repetitivas e notificar as doenças ocupacionais comprovadas ou objetos de suspeita. A mesma tutela proibiu a BRF Brasil Foods S.A de promover jornadas extras para minimizar os efeitos nocivos do trabalho a seus funcionários. Ao julgar mandado de segurança movido pela empresa, o Tribunal Regional do Trabalho cassou a tutela antecipada, mas em recurso interposto pelo MPT o Tribunal Superior do Trabalho, por unanimidade, restabeleceu a decisão da Vara do Trabalho de Joaçaba. 

O descumprimento das pausas gerou a execução de multa no valor de R$ 10 mil ao dia, desde 28 de junho deste ano. Também foram executadas multas de R$ 20 mil ao dia, desde a mesma data, em razão da BRF Brasil Foods SC não emitir Comunicações de Acidentes de Trabalho. As multas somam R$ 4,7 milhões. Da decisão cabe recurso, mas a empresa deverá depositar o valor para poder recorrer. O Frigorífico solicitou à Justiça a nomeação de um bem em garantia ao invés de realizar pagamento em dinheiro, pedido negado em razão da legislação processual estabelecer prioridade de penhora em dinheiro.

Para o Procurador do Trabalho Sandro Eduardo Sardá, Gerente Nacional do Projeto do MPT de Regularização das Condições de Trabalho em Frigoríficos, "é lamentável que mesmo após a concessão de tutela antecipada pela Vara de Joaçaba, mantida pelo TST, determinando a adoção de medidas essenciais à proteção à saúde e dignidade humana, a empresa continuou violando os direitos fundamentais dos trabalhadores. Trata-se de grave desrespeito ao Poder Judiciário Trabalhista, ao Ministério Público, aos trabalhadores e a toda a sociedade". 

Nesta segunda-feira (12), o Procurador lembrou que recentemente a BRF Brasil Foods em Capinzal investiu cerca de 50 milhões de reais em automação de seus processos industriais, e "mesmo assim os empregados continuam submetidos a um rito de trabalho intenso e incompatível com a saúde física e mental, com a realização de 70 a 120 movimentos por minuto, quando estudos apontam que o limite de 30 a 35 movimentos por minuto não deve ser excedido", enfatizou.

A BRF Brasil Foods fechou 2010 como a terceira maior exportadora do país. É uma das maiores empresas de alimentos do mundo, e foi criada a partir da associação entre a Perdigão e Sadia. Atua nos segmentos de carnes (aves, suínos e bovinos), alimentos industrializados (margarinas e massas) e lácteos, com marcas consagradas como Perdigão, Sadia, Batavo, Elegê, Qualy, entre outras.

Com faturamento líquido de R$ 23 bilhões registrado em 2010, a BRF exporta para 140 países, opera 61 fábricas no Brasil (distribuídas em 11 Estados) e três no exterior(Argentina, Reino Unido e Holanda). Mantém 24 escritórios comerciais no Exterior e emprega cerca de 115 mil trabalhadores. 

DOENÇAS OCUPACIONAIS*

Estudos realizados pela própria BRF Brasil Foods na Unidade de Videira comprovam:

68,1% dos empregados do setor de aves sentem dores causados pelo trabalho;

65,31% dos empregados do setor de suínos sentem dores causados pelo trabalho;

61,79% dos empregados estabelecem relação entre a dor e o trabalho desenvolvido na área de aves

60,34% dos empregados estabelecem relação entre a dor e o trabalho desenvolvido na área de aves;

70,89% dos postos precisam de intervenção ergonômicas no setor de aves;

95,5% dos postos precisam de intervenção ergonômicas no setor de suínos;

30,24% dos empregados manifestaram dormir mal no setor de aves e 33,18% no setor de suínos;

49,64% dos empregados manifestaram se sentir nervosos, tensos ou preocupados no setor de aves e 50,43% no setor de suínos;

12,26% dos empregados manifestaram que alguma vez pensou em acabar com a sua vida no setor de aves

13,46% dos empregados manifestaram que alguma vez pensou em acabar com a sua vida no setor de suínos.

Cerca de 20% de toda a mão de obra em frigoríficos vem sendo acometida de doenças ocupacionais.

*Fonte: Programa de Reabilitação Ampliado mantido pela Perdigão em Videira.

Fonte: Bonde

Algo mais aqui! Carne e Osso...

17 de dez de 2011

Calou-se O ZUMBIDO POLÊMICO DO MOSQUITO:

(publicado no Jornal Cidadela em 16/12/11)

Terça-feira passada fui chacoalha por uma notícia escrita no meu e-mail: “Bete! O Mosquito Morreu!”. Tremi, corri olhar nas redes sociais, era verdade. Foi encontrado morto em seu apartamento “na Palhoça”. Lá se foi o blogueiro mais polêmico do nosso estado... Cabeça a mil corri para descobrir se era “morte morrida” ou “morte matada”, afinal de contas ele colecionava desafetos (poderosos). Morte estranha: enforcamento. Suicídio ou assassinato até esta noite de quarta-feira, quando escrevo estas linhas nenhuma notícia concreta.

Não sou do tipo que bastou o sujeito morrer para virar santo. Amilton Alexandre possuía uma porção de defeitos. Fazia alguns meses que estávamos de relações cortadas, eu era contra a forma com que ele se expressava. Usava expressões que me incomodavam demais, muitas vezes se mostrava quase um fascista devido as aberrações que postava em seu Twitter. Mas tinha o seu valor, e por isso merece meu reconhecimento, denunciava sem medo os casos de corrupção que tomava conhecimento. Sempre que precisei estava a postos para garimpar alguma informação para mim. Chegou a recepcionar um ônibus de Joaçaba lá na capital...

Fez parte de um grupo que trabalha à margem da imprensa “limpinha”, era mais um “blogueiro sujo”; aquele grupo que trás à luz as informações que ninguém quer ou pode publicar devido a dever ou temer algo. Espero sinceramente saber que ele optou por seu fim, pois se as investigações levarem para outro caminho não saberia mais o que pensar do nosso momento atual... 

E para quem não conhecia o Mosquito segue uma entrevista feita com ele pelo blog “Olho da Foca”, publicada em 03 de novembro passado:

Arianna Fonseca: Como surgiu o Tijoladas do Mosquito?
Mosquito: A partir de um determinado momento comecei a escrever na internet através de um blog. Recebia muitas informações, muitas denúncias e o site acabou se tornando meio que uma referência, até criando polêmica, em defesa de certos assuntos que a grande mídia não cobre, ou não tem liberdade para por nos seus veículos. Muitas das matérias que publico no blog são oriundas de próprios jornalistas que tem dificuldade que seu trabalho vá à frente nos órgãos de imprensa. Por exemplo, a matéria que eu fiz sobre o estupro que vitimou uma menina em julho de 2010 em Florianópolis, que envolveu o filho do dono da RBS, quem me passou foi um próprio jornalista da emissora.

A.F.: O senhor se acha vítima de censura? Como lida com isso?
M.: Com certeza. Como faço muitas denúncias que envolvem políticos, normalmente inconformados com as críticas ou com o tom delas, procuram a Justiça para evitar que eu mostre as provas contra eles. Porque a medida que essas denúncias atrapalham os negócios, eles procuram interceder para que a Justiça faça essa censura. Mas eu tenho feito minha defesa e tenho recorrido à todos esses processos de dano moral. Eu devo ter uns 30 processos de políticos que realmente levam pra essa indústria de dano moral as críticas contundentes que eu faço.
Teve um suplente de deputado, Edson Andrino, que conseguiu na justiça o bloqueio dos meus domínios na internet. Tive que fazer outros domínios pro blog realmente não fechar. Os endereços que tenho hoje inclusive estão depositados fora do Brasil, que são tijoladas.net e o tijoladas.info. É uma maneira de exercer uma forma de censura contra meu blog, mas eu enfrento isso rotineiramente.

A.F.: Qual sua relação com o WikiLeaks?
M.: Tive muitos problemas em relação à hospedagem do meu site. A Folha de São Paulo, o Local Web cancelaram sem justificativa. Eu pagava muito, cerca de 500 reais pra deixar o blog no ar por causa do tráfego de informações que é muito pesado, eram muitos gigabytes em transferências de dados. Então um cidadão de Porto Alegre que tinha contato com o site do WikiLeaks na Suíça me ajudou e eu pude reportar o provedor dele em troca de passar informações que eu coletava. Mas hoje só tenho o contato de hospedagem mesmo.

A.F.: Antes de publicadas, as matérias passam por uma investigação jornalística?
M.: Tudo o que publico tem ou são provas que eu consigo ou é uma reprodução de um material que já foi publicado na imprensa que eu procuro manter mais informações do que colocado na mídia. Eu procuro saber, ter provas documentais. Tanto é que denúncias que eu fiz viraram ações no Ministério Público. Por exemplo, agora, eu fiz uma representação no Ministério Público para derrubar o Altamir Paes da SCGás. Eu recebi a informação e sabia que ele tinha vendido um imóvel da prefeitura de Otacílio Costa de uma empresa que o irmão dele era sócio. Foi condenado na Justiça e mesmo assim o governador insistiu na nomeação dele. Por fim, os promotores viram que aquilo era verdade, me deram um prazo e ele acabou sendo demitido.

A.F.: Como consegue as informações e como identificar se é verdade ou mentira?
M.: Recebo muitos telefonemas, e-mails, me mandam envelopes com documentos, me encontram na rua e conversam comigo. As fontes são as mais variadas: amigos, via internet mesmo, algumas denúncias anônimas. Eu procuro, nas anônimas, verificar todas as fontes, me preocupo em fazer quem me mandou o material entrar em contato comigo por telefone pra saber se aquilo é verídico. Pra isso tem um pouco de tino. Por exemplo, se não cita nomes, não tem prova nenhuma, daí eu não publico. Mas eu vou apurar, vou selecionar, vou ao local. Tem gente que faz denúncia pra prejudicar outra pessoa.

A.F.: Qual a credibilidade que o senhor passa com o blog para os leitores?
M.: Eu vejo muito essa credibilidade pelo twitter @tijoladas. Hoje tenho 5459 seguidores e a maioria são portais de imprensa do país inteiro, jornalistas… Então tudo que eu publico, tanto no twitter quanto no blog, chega às assessorias de imprensa e aos portais. E a credibilidade se dá a medida que as matérias que eu faço acabam virando notícias em jornais no outro dia. Tenho dado muito furo de reportagem.
Por exemplo, hoje recebi a informação que a prova do Tribunal de Justiça feita no domingo, às nove da manhã essa prova já estava circulando. O pessoal saiu do local de prova, muitos iam ao banheiro com celular, houve uma série de irregularidades lá, então eu publiquei antes de sair na imprensa. E as redações de jornais e televisão também estão ligados nas redes sociais, acompanhando o blog, o twitter. Geralmente eu pauto muito quem trabalha na imprensa.

A.F.: Um dos casos mais polêmicos que você divulgou em primeira mão foi do estupro envolvendo um menor da família Sirotsky. Como o caso que você mesmo intitulou “estuprotsky” veio à tona?
M.: Uma fonte de dentro da RBS que não trabalha mais lá, ex-repórter, tava com a informação na mão e perguntou se eu tinha interesse em divulgar porque tinha provas que realmente teria sido um crime e me conseguiu documentos. E também através de um email, recebi cópia da data que a polícia estava marcando uma audiência com um dos rapazes, comprovando que havia tido um crime. Teve um terceiro garoto, que até hoje não foi divulgado o nome do rapaz.

A.F.: E como comprovou que o Formspring do adolescente envolvido era dele mesmo?
M.: É óbvio, aquilo foi comprovado. A repercussão, tanto é que foi anexado no processo. Eu consegui salvar no meu computador e logo depois aquilo sumiu do site. Por isso tudo que eu vejo na internet, antes de ler, eu já faço um printscreen pra garantir que aquilo não vai desaparecer. Tanto é que era verdade que desapareceu.

A.F.: Há um exemplo de quando o senhor chamou de “cara de pau” o promotor que cuida do caso do estupro. Qual justificativa para o uso dessa linguagem fora do padrão jornalístico em seu blog?
M.: O atrativo do meu blog é um pouco do que eu escuto na rua ou na mesa de bar, que é o pensamento da população. Então quando eu uso uma linguagem um pouco mais agressiva, as vezes mais forte, mais contundente, é para me aproximar um pouco do que eu vejo na rua, esse é o sentimento. Quando a população vê que um crime desse está impune, é que o promotor sentou a “bunda” no processo, que é um “cara de pau” mesmo. Cem mil pessoas xingaram o José Sarney no Rock in Rio. É um sentimento de indignação com a política, com os corruptos. Uns acham que o meu linguajar é chulo, outros acham que é popularesco. Eu expresso muito o que sinto na hora que estou escrevendo. Procuro cada vez mais, até por orientação dos meus advogados, não falar muito palavrão, ser mais comedido. Mas às vezes eu fico muito indignado.

A.F.: É verdade que o senhor recebe ameaças?
M.: Sim, eu recebo muitas ameaças de morte, já tive uma agressão na Assembleia, um cara me seguindo, outro dizendo que vai me matar, matar minha família. Tem um perfil no twitter que me persegue 24 horas. Tudo que eu escrevo o cara vai e escreve atrás me difamando, ameaçando, invadindo as timelines de servidores dizendo que eu sou bandido, que sou ligado ao Esperidião Amim. São profissionais pagos para ficar me atazanando. Eu tenho tanta importância que chegam a contratar alguém para ficar 24 horas cuidando do meu twitter.

A.F.: E como lida com isso?
M.: É dificil né, mas eu bloqueio, faço as denúncias, vou na polícia, denuncio no twitter. Mas acho que é um preço que estou pagando porque eu mexo com muitos interesses. Claro que esse Altamir Paes que vai sair do cargo, é claro que ele vai tentar me prejudicar porque foi uma representação minha. Tem gente que me ameaça, mas eu estou tranquilo quanto a isso, não tenho segurança especial. Tenho meus cuidados normais como cidadão, mas não vivo em função disso. Não vivo porque é um tipo de coisa que ou você faz ou não faz, sem outra alternativa. É um risco inerente da atividade.

A.F.: Para finalizar, uma pergunta maic complexa: Qual sua opinião sobre a ética jornalística?
M.: Eu uso muito a frase de um professor do departamento de jornalismo, o Hélio Schuch: “quando alguém vem falar de ética comigo eu coloco a mão no bolso, pra segurar minha carteira. Quando vem falar de ética duas vezes eu coloco as duas mãos na carteira”. Então, o que é ética do jornalista? O jornalista tem ética na produção do seu material, mas qual é a ética que tem a sua emissora na reprodução do material? Eu acho que a ética é muito relativo. Geralmente é usada para prejudicar a informação. Você tem que ser ético na divulgação das informações, mas isso está sempre à serviço de algum público com interesse. Se houvesse ética mesmo, nós teríamos uma informação mais imparcial, uma maior liberdade de expressão.E não é só em relação à Florianópolis, e sim no Brasil inteiro há um monopólio da informação. A liberdade de expressão a gente até conquista, mas e a liberdade de isso ir para a população? Hoje está nas mãos de grupos de interesse. Eu não ando muito preocupado com essa questão da ética, mas eu acho que tem que ter responsabilidade com a informação que passa.

Nota da repórter: Ao agradecer pelo twitter a entrevista no dia seguinte, tive a comprovação que há realmente alguém de olho no Mosquito 24 horas por dia. São dois perfis do twitter (@pau_no_mosquito e @UrnaLimpa) que deixaram o mesmo recado no meu perfil denegrindo a imagem do blogueiro. Apelaram pra tudo, dá uma olhada na mensagem: @tijoladas @aariannaf cuidado que o tijolada$ costuma agredir mulher, é covarde, bandido, condenado. ficha suja, mandrião n trabalha”

16 de dez de 2011

Prefeito de Joaçaba é condenado por improbidade administrativa:

Dia 21/10/09 protocolei junto ao Ministério Público, na época com o Dr. Álvaro Pereira Oliveira Melo, uma denúncia sobre a contratação de uma empresa para fazer o mesmo trabalho que o Coordenador de Planejamento. Ou seja: alguém estaria recebendo sem trabalhar... Dia 14/12/11 a sentença de primeiro grau foi publicada e registrada. Segue um trecho:

DISPOSITIVO 19. Isto posto, nos termos do art.269, I, do CPC, c/c arts. 5, 10,caput, 12,II da lei federal n 8.429/92, este Juízo julga procedente em parte o pedido inicial para: a) anular o contrato de fls. 44-47; b) declarar que a conduta praticada por Rafael Laske caracteriza improbidade administrativa prevista no art.10, caput, da Lei 8.429/92; c) com base no art.5 c/c art. 12, II, da Lei de Improbidade Administrativa, condenar Rafael Laske a devolver o valor do prejuízo causado ao erário público. O valor deste prejuízo é a remuneração do cargo de Coordenador de Planejamento, nível CC-1 (fl.51), no período entre setembro de 2009 (data da celebração do contrato anulado - 9.9.2009) à 24 de fevereiro de 2010 (data da certidão do meirinho de que havia notificado o Prefeito da liminar suspendendo os pagamentos). O valor a ser ressarcido não poderá ser mais elevado do que o valor da inicial corrigido monetariamente, tudo acrescido de juros de mora a partir da citação; d) condena os réus a pagarem as custas processuais. O segundo réu também é sucumbente já que o contrato foi anulado. e) transitada em julgado pagas as custas, arquive-se. Publique-se. Registre-se. Intimem-se.

Está aí a prova de que o Ministério Público pode ser o maior aliado da sociedade. Estou esperando os desdobramentos das denúncias feitas referentes à prestação de contas do Carnafolia 2011 e outras tantas que sei que foram protocoladas...


Link da Ação Civil de Improbidade Administrativa



15 de dez de 2011

"Internação perpétua"

Recebi este material por e-mail e resolvi publicar porque estou com as barbas de molho com esta conversa de "reforçar as comunidades terapêuticas" ou de "recolher os viciados em crack para o tratamento através da internação compulsória". Confesso: tenho medo...


Ministério da Saúde | Órgãos Vinculados | SUS | Correio Braziliense | Brasil | BRInternação perpétua
05 de dezembro de 2011 



Pesquisa inédita sobre as medidas de segurança em manicômios judiciais mostra que, apesar de exame atestando o fim da periculosidade, 35% dos internos não conseguem voltar à liberdade. Ministério da Justiça reconhece a gravidade da situação

Renata Mariz


Glamurizados no senso comum como uma alternativa aos horrores da prisão, os manicômios judiciários, chamados oficialmente de hospitais de custódia e tratamento psiquiátrico, deveriam receber os doentes mentais que cometeram crimes para tratá-los. Mas, uma vez ultrapassadas as portas de entrada desses locais invisíveis aos olhos da sociedade e do governo, retornar à liberdade se torna algo improvável no Brasil. Mesmo com o exame atestando o fim da periculosidade, 35% dos internos continuam trancafiados. Em 14% dos casos, há, inclusive, decisão judicial expressa determinando a liberação. Muitos, porém, perderam qualquer vínculo com o mundo externo. Vinte e cinco por cento estão há mais de 15 anos dentro dos estabelecimentos - tempo que poucos criminosos ficam atrás das grades no país, ainda que sejam autores de barbaridades. Mais grave ainda: 85% deles não tinham qualquer antecedente criminal, que pudesse justificar um rigor maior, quando cometeram o delito.

As constatações sombrias fazem parte de um estudo inédito encomendado pelo Ministério da Justiça (MJ) sobre as medidas de segurança aplicadas no país a doentes mentais considerados incapazes de compreender os próprios atos. Divulgados pelo Correio com exclusividade, os dados dizem respeito aos manicômios judiciários da Bahia e de Minas Gerais, primeiros estados a participarem do estudo, que abrigam, juntos, 228 internos.Para o secretário de Assuntos Legislativos do MJ, Marivaldo de Castro Pereira, os resultados exigem providências rápidas e até alguma modernização legislativa. "Temos urgência de adequar o sistema de medida de segurança aos direitos e garantias constitucionais. Vemos que ele é mais rígido com os inimputáveis do que com os que têm condições mentais de entender o que fizeram", afirma o secretário.

De imediato, ele destaca a necessidade de garantir que o exame de cessação de periculosidade, que dá ao juiz elementos para determinar o fim da internação, seja feito como manda a lei, anualmente. A realidade dos locais, verdadeiras cadeias em vez de hospitais, é outra. "Encontramos 65% sem exames. Alguns podem ter feito e não ficou atestado o fim da periculosidade. Mas grande parte simplesmente não tem o exame realizado há tempos. As políticas públicas são falhas, desde a garantia do direito de passar pelo exame periodicamente às ações de reinserção social, de residências terapêuticas", diz a antropóloga Debora Diniz, que coordenou o estudo, realizado pela organização não governamental Anis - Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero. Ela aponta o absurdo das internações tão prolongadas. "Nenhum homicida sem antecedentes fica mais que seis anos na prisão. O que justifica o doente mental permanecer 15, 20, 30 anos ou mais?" Mito A marca de 85% dos internos sem vida pregressa criminal, segundo José Geraldo Taborda, psiquiatra forense e professor da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, derruba outro mito, o do serial killer. "Não temos nenhum Hanibbal dentro de hospitais de custódia. Quem está lá são doentes mentais que não receberam atendimento adequado nos serviços de saúde e, um dia, surtaram em tal nível que acabaram cometendo um crime", destaca Taborda. A pesquisa mostra que o homicídio é o delito mais comum, praticado por quase 60% dos homens e mulheres que cumprem medida de segurança. As vítimas preferenciais, em 41% dos casos, são cônjuges ou familiares - geralmente quem cuida do doente em sofrimento mental. Para 42% dos internos, o diagnóstico é a esquizofrenia.


Analfabetos ou com poucos anos de estudo (82%), pardos e negros (63%), com 40 anos ou mais (63%), solteiros (81%) e sem qualquer profissão (22%), os loucos que cometem crimes no país têm um perfil marcado por vulnerabilidades. "É um indivíduo absolutamente dependente do Estado. Ele não é um perigo permanente, como a fantasia da elite ou dos jornais faz parecer. Representa perigo, se é que essa palavra cabe, aos seus familiares se não estiver em tratamento", afirma Debora. Taborda ressalta outra dificuldade na desinternação dos doentes mentais: o afastamento da família. "Imagine que o seu irmão matou sua mãe. Você tem filhos, tem família, é lógico que há uma resistência em receber essa pessoa. Então, elas simplesmente não têm para onde ir. Não existem políticas para isso", afirma o psiquiatra.


Uma discriminação que atenta contra o objetivo da internação no hospital de custódia, que é o tratamento, é a não inclusão dos pacientes no Sistema Único de Saúde (SUS), segundo Taborda. Ele aponta uma situação peculiar em Porto Alegre, onde atua, como exemplo de "absurdo". "Temos o Hospital São Pedro, onde pacientes psiquiátricos recebem atendimento gratuito pelo SUS. Do outro lado do muro, os internos do Instituto Maurício Cardoso, um hospital de custódia, não são assistidos. Como estão ligados à Secretaria de Justiça, o serviço à saúde depende dessa pasta. E a alegação de falta de recursos, falta de pessoal, em todos os governos, se repete", critica o psiquiatra.


13 de dez de 2011

O Mosquito se foi...




"Eu posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o direito de dizê-lo" (Voltaire)

Sem a menor condições de escrever uma linha sobre o bocudo do Mosquito... 
Fica a homenagem, nem pelo jeito desbocado de ser, mas pela coragem de fazê-lo...

12 de dez de 2011

Boato de expulsão de cidadão do Fórum de Joaçaba pelo Promotor foi desafiado:

Cheguei de viagem e fiquei sabendo que rolava um boato que o Sr Gilberto Antônio Branco - aquele que panfletou contra a obra da rodoviária "velha" - havia sido escorraçado do fórum de Joaçaba pelo Promotor de Justiça, inclusive tendo sido usada a força policial...

Achei uma postagem que confirma a fofoca infundada plantada pelos desesperados com a ação contundente de um cidadão consciente que não se cala diante dos absurdos que vê por aí:

jonas comentou em 06/12/2011 as 11:20:09
JBA | SC
Gostei muito dessa ação.. Mas o que mais gostei mesmo, foi ver o cara que fica denunciando o prefeito ser expulso da Promotoria Pública...
O promotor tirou o cara de lá, acompanhado pela Policia... foi expulso do forum, pq todas as denuncias tem cunho politico.. Não se prova nada e toda semana vem com uma nova acusação leviana. Joaçaba tem que fazer um levante contra essas pessoas que nem são daqui e acham que podem mandar na cidade. To contigo prefeito, somos família, não terroristas!

Segue a resposta:

Gilberto Antônio Branco comentou em 11/12/2011 as 12:31:40
Joaçaba | SC
Sr Jonas, se você for homem o suficiente, gostaria que você fosse comigo até o fórum para me mostrar quem foi o policial que você viu que me retirou do fórum. Vamos conversar com o promotor pra saber desta história aí. Depois da discussão já fui outra vez no MP.

Sou joaçabense, nascido em 1954, Joaçaba nunca fui tão mal administrada como anda ultimamente. O próprio promotor me falou "quem mandou eleger este prefeito".

Do site do Éder Luiz - clique aqui