2 de dez de 2011

Calaram UMA voz!

(publicado no Jornal Cidadela em 02.12.2011)

Vocês não têm ideia da dificuldade que estou tendo para escrever este texto... Ainda depois de dois dias meu estômago revira cada vez que me lembro do ocorrido com o Vereador Marcelino de Chapecó... Aquele que denunciava esquemas de corrupção envolvendo a Prefeitura de seu município e o FUNSOCIAL do governo de Santa Catariana... Aquele que foi “suicidado” na sua própria casa... Tremo de indignação, tremo em pensar que isto ainda possa acontecer nos dias de hoje...

Segunda-feira eu levantei na expectativa, ia ter um encontro com a Deputada Luciane Carminatti. A vinda dela para a região serviria para conversarmos sobre assuntos relativos às mulheres, uma continuidade do Fórum que houve dias atrás, também tinha intenção de compartilhar minha ida à Conferência Nacional de Assistência Social, queria tratar das propostas que deverão ser debatidas. Meio-dia o encontro foi cancelado, a voz transtornada do outro lado da linha não precisou de muito para me fazer entender. “O companheiro Marcelino faleceu.”

Levou duas horas para eu entender que ele não faleceu, ele “havia caído”. Calaram uma voz, ceifaram uma vida! Alguém que lutava contra a corrupção e fazia muito mais do que desfilar com vassouras verdes nas avenidas das cidades do país. Alguém que ia a fundo, que tinha por norte sua consciência e que acreditava na Justiça. Alguém que ousou erguer a voz precisava ser silenciado. Por certo era do tipo que nem com as ameaças de inimigos ou conselhos de amigos mudavam a forma de pensar e agir. O tipo de gente que não tem dinheiro no mundo que compre a consciência. Coisa rara, sem falsa modéstia, um irmão na causa.

Não tardou para começar a chegar manifestações sobre minha postura em Joaçaba. Teve amigo bem intencionado que me aconselhou a apagar meus perfis nas redes sociais e mudar o estilo de agir. Teve filha ligando de São Paulo me dizendo pra ter medo da Polícia. Só eu que me mantive com a cabeça fria e centrada na ideia fixa de que agora é hora das outras vozes fazerem coro. O medo imobiliza, a esperança não. Eu sou daquelas que acredita que as coisas podem melhorar, nunca e de modo algum vou mudar meu modo de levar a vida por conta do que, por ventura, possa me acontecer.

Lógico que eu fiquei mexida, ainda mais quando resgatei nos meus arquivos um e-mail recebido há muitos meses atrás, que transcrevo algumas partes agora para deixar o registro: “Oi, Boa Noite.... (...) Sabe, vc esta fazendo uma verdadeira revolução eletrônica (via Internet, blog, twitter, etc) em Joaçaba. Parabéns, as discussões são importantes para o crescimento de todos inclusive de nossa cidade. Porem tenha cuidado, pq determinadas pessoas aqui não gostam de quem começa ter destaque, independente do ramo ou setor. (...) cartas anônimas ameaçando minhas filhas (...) etc. Nunca tive qualquer contato pessoal contigo, alias nunca lhe vi pessoalmente. Acho q as vezes vc radicaliza em determinados assuntos, o que acaba fazendo com que perca a razão sobre os mesmos. (...)”

Agora deu pra entender a dimensão do medo das pessoas que ao me explicarem que “não querem se envolver” me dizem “você não é daqui, não sabe como as coisas funcionam”. Ah sim! Agora eu entendi! Aqui as coisas funcionam assim! “Apaga-se” quem incomoda?! A parte de “dar cabo” por óbvio eu ainda não experimentei, mas os incomodados com ações de pessoas que não se calam diante dos absurdos já mostraram do que são capazes. Já me mostraram que são capazes de jogar sujo e baixo. Coisa típica de quem desvia dinheiro de criancinhas. Gente sem caráter mesmo.

Foi criado um perfil “fake” no Twitter onde as mensagens até eram engraçadas no começo, coisa de moleque que está muito bem escorado em adultos inescrupulosos. Quando me avisaram eu até fiquei indignada, mas logo lembrei que só gente famosa tinha este tipo de perfil, levei na esportiva. Tempos depois o dito perfil começou a postar coisas ofensivas, inclusive questionando a sexualidade do Deputado Federal Pedro Uczai. Virou ferramenta de ataque ao Partido dos Trabalhadores, passou dos limites. Registrei Boletim de Ocorrência, afinal outras pessoas estavam sendo atacadas que não somente eu. Não quero ser conivente com isto; se a Polícia Civil de Joaçaba está trabalhando no caso não sei, não tive mais notícias.

Ter sido revisora de jornal num tempo em que não existia Corretor de Texto me deu traquejo o suficiente para descobrir a estilística de um ou outro autor (meu hábito da leitura, lógico, contribui com isto também); de imediato descobri que a mesma pessoa que administra o perfil que me ataca escreve no perfil da Juventude de um partido. Até as brincadeiras são iguais. O tal perfil “fake” não se trata de apenas uma brincadeira de quem ainda nem sabe administrar sua vida sexual, é uma forma de denegrir minha imagem e atacar os que me cercam. Jogo sujo do tipo que fazem os que não se acostumaram com a ideia de que a política do “prendo e arrebento” não funciona mais. Coisa de filho e neto da Ditadura...

Vou continuar lutando contra o que abomino e vou continuar sendo mais um braço na luta para o bem comum, afinal pra se fazer o Bem não importa de que lado se está. Só não vou silenciar, não vou “aliviar a mão”, continuarei denunciando e gritando aos quatro ventos que “uma coisa errada não está certa”, se vou encontrar amparo nos órgãos que devem ser parceiros não sei; só sei que nunca perderei a tranqüilidade de saber que estou fazendo a minha parte que vai muito além de participar de marchas contra a corrupção patrocinadas por mãos que estão calejadas de tanto contar dinheiro roubado!

“Os poderosos podem matar uma, duas ou três rosas, mas jamais conseguirão deter a primavera inteira” (Che)

[a foto acima é de Wladimir Herzog... E aí!? Trata-se da "roda da História" ou ainda nem rodou?]

3 comentários:

  1. Bete, às vezes tenho a impressão de que Santa Catarina é um faroeste. Sempre ouvi histórias de coronéis do nordeste, até me dar conta de que vivo num estado dirigido pela mesma, digamos, genética, uma genética perversa que só pensa explorar e enriquecer a si e aos "amigos". Os donos do estado e das vidas de camponeses, trabalhadores, jovens...Mas com gente como você do lado, quem sabe possamos transformar um pouquinho tudo isso. Abraço

    ResponderExcluir
  2. Por estas e outras temos que começar a nos articular... Já "deu pra bola" esta situação...

    ResponderExcluir
  3. A pedido:

    "oi. sou o Rômulo, aqui de Itajaí.
    tentei comentar isso no post sobre a morte do vereador Marcelino, mas, o blogspot tem problemas sérios comigo ehehehhehe... podes postar o comentário lá, pois também respondia à Bina... ;-)


    Binah, aqui é realmente um faroeste... são tantos casos... aqui em Camboriú, o ex-prefeito (e futuro candidato!!) Edinho é suspeito de ter mandado matar desafeto político (mataram por engano o irmão cadeirante). Eu mesmo já recebi ameaças de morte por telefone (http://www.youtube.com/watch?v=mDCBN_Tw0RY), fora o básico dos processos judiciais, o qual tenho um em andamento e outro que já parou... mas, Bete, siga em frente, sempre respeitando os nossos adversários e saiba que estamos todos juntos! E, quem sabe, cada vez mais juntos, para nos fortalecermos ainda mais."

    ResponderExcluir