26 de dez de 2011

Uma Joaçaba que ninguém quer ver...

(publicado no Jornal Cidadela em 22/12/2011)

Joaçaba se orgulha de ter um dos melhores IDH do país, parece até que vive num mundo encantado onde problemas sociais só existem do outro lado da ponte, por vezes ouço um que outro discurso dando a entender que se temos problemas é porque a “vizinha pobre” não faz sua parte. Ledo engano! Está mais do que na hora de descermos do pedestal o olhar para a Vila Cordazzo, para o bairro Armindo de Medeiros Haro, para a “Vaca Preta”, para a Vila Cachoeirinha... Fingir que não existem, ou só lembrar-se deles em tempos de campanha já não é mais admissível. Os problemas estão saltando aos olhos, não dá mais para disfarçar.

Por conta do trabalho junto à ONG de proteção animal a gente acaba indo a lugares que nunca podia imaginar existir, coisa deprimente de ver: falta de saneamento básico, falta de moradia, lixo, mato, violência... A gente vai para socorrer um animal e tem vontade de morrer ao ver que nossa ação não alcança os seres humanos. Algumas vezes nem consigo saber se quem merece o socorro é o animal ou o ser humano. Deprimente é pouco para definir as realidades que venho constatando. Não bato fotos por respeito a aqueles que já têm a dignidade enxovalhada, seria humilhá-los mais ainda (se é que isto é possível...)

Moro relativamente perto da Vila Cachoeirinha, faz tempo que vou ali. A ACOMAR sempre recebe o material reciclável que separo na minha empresa e na minha casa. Agora que o bairro tem uma nova diretoria da Associação de Moradores venho dando minha contribuição sempre que sou chamada. Ali parece que se rompeu aquela relação viciosa com políticos e aliados que, por meio de ações populistas, mantêm o povo na mesma situação de curral eleitoral. Pelo menos ali esta relação doentia parece ter se quebrado, a nova presidente da Associação de Moradores está interessada em ver a comunidade se desenvolver, tem “comido o pão que o diabo amassou”, mas acredito na sua competência e determinação.

Uma onda de violência vem acometendo a comunidade, um assassinato se deu por conta de um desentendimento entre conhecidos, morte entre moradores. Brigas entre vizinhos têm sido uma constante. Ameaças são constantes, chega a dar medo. Todos os problemas que são constatados naquela comunidade poderiam ser resolvidos se o Poder Público tivesse interesse em resolver a questão habitacional. Aquilo é um amontoado de casebres onde nada pode ser feito e nada será feito até que se regularize esta situação e que cada morador tome consciência de que tem direitos, mas também deveres.

Dia 06 de dezembro o Promotor de Justiça e alguns servidores da Secretaria de Ação Social estiveram na Vila Cachoeirinha para uma conversa sobre o que aflige aquele povo (ouvi dizer que o Delegado também fora convidado – não estava ali). Fiz alguns apontamentos sobre o que aconteceu ali:

ü  Levantou-se a questão das casas serem muito próximas umas das outras e o Promotor explicou que isto acontece sempre quando a ocupação não tem planejamento. Disse que agora precisa ser pensada a solução para este problema, demolir “esta ou aquela” é impossível, mas um esquema que pode funcionar é “casa desocupada não pode ser reocupada”.

ü  A maior parte do terreno é da PMJ o que inviabiliza o Usucapião. A regularização fundiária passa por um estudo, um projeto, delimitando-se as áreas e tornando as pessoas proprietárias. Com isso ocorrerá a melhoria na infraestrutura. E também não se pode esquecer de que “ter uma casa sua caracteriza que agora você tem que cumprir com os compromissos como cidadão”. Mas para tudo isso acontecer o município tem que dar o “start” e iniciar o programa/projeto.

ü  A ocupação se deu através de autorizações não formais de antigos Prefeitos – Evandro e Raul Furlan. O Normélio Zílio chegou a construir algumas casas de alvenaria no local. Quando as pessoas explicaram que as pessoas foram vendendo os imóveis, o Promotor lembrou que “casa da COHAB não foi feita para ser vendida, foi feita para ir pagando e morar nela”. E que a regularização do que se vê na Vila Cachoeirinha não pode ser feita pela via judicial e sim pela via política e administrativa.

ü  O Promotor sugeriu à comunidade que buscassem junto ao Prefeito o cumprimento de um cronograma de ação, passando por uma lei e efetivando as ações. Como o Secretário Venilton confirmou que não existe nenhum projeto junto ao Ministério das Cidades, ficou decidido que seria criada uma comissão de moradores para tratar do assunto da Habitação e que esta mesma comissão trabalharia em conjunto na solução dos demais problemas existentes no bairro, lembrando que ninguém tem intenção de ser retirado do terreno, que a solução deve sempre ser discutida e as tratativas acompanhadas pela Comissão.

Ao final da reunião o Secretário Venilton telefonou para o Prefeito e marcou uma reunião com a Comissão recém formada para o dia 15/12/11, 19hs, no Gabinete. Todos ficaram satisfeitos. Descobriu-se que nunca e em momento algum existiu projeto para a revitalização da Vila Cachoeirinha junto ao Ministério das Cidades, mas agora o povo dali seria protagonista na mudança de seu destino. Ansiedade a mil até às 15:00h do dia 15 (quinta-feira), quando telefonam do Gabinete avisando que a dita reunião não constava na agenda do Prefeito e que este estava em viagem à Florianópolis...

Agora, chato mesmo foi um morador da Vila Cachoeirinha me cercar no sábado de manhã para me contar que na noite daquele mesmo dia o moço estava todo lépido e fagueiro na festa do bairro Santa Tereza... Pegou mal, vergonha alheia. Se ia se atrasar era só pedir para que a reunião fosse um pouco mais tarde, o povo trabalha, à noite é o melhor horário mesmo. Depois ficam de “mimimi” dizendo que somos nós que estamos fazendo política partidária... Não meçam os voluntários pelas suas estaturas, eles estão acima deste jogo sujo de eleições, cargos, favores. Lutam para melhorar o mundo à sua volta, esta Joaçaba que ninguém quer ver...

Um comentário:

  1. Uma vez fui na Cachoeirinha e fiquei chocado, nem sabia que lá era assim. "Nem parece Joaçaba", mas é Joaçaba. Tá na hora de Joaçaba acordar, pq a cidade parou no tempo e enquanto ficou se gabando de ser boa em tudo, foi sendo ultrapassada por várias cidadezinhas e hoje, é apenas mais uma cidade [governada sempre pelos mesmos - e a população não enxerga isso].

    ResponderExcluir