30 de jun de 2012

Alianças que estão mais para algemas:

(publicado no Jornal Cidadela em 29.06.12)

As convenções partidárias estão batendo à porta e as alianças [ou seriam algemas?] já estão alinhavadas. No frigir dos ovos o inimigo de ontem é o melhor amigo de hoje. Coisa de política(gem). Eu tenho estômago fraco. Aliás acho que todo meu organismo não aguenta esses acertos [ou conchavos?]. Minha imunidade foi lá pra baixo desde sábado mal consigo sair da cama. Meus pulmões sempre reagem quando eu fico indignada. Eles sempre foram assim tão rebeldes quanto a sua “hospedeira”.

Estou mal, na verdade estou enrolando para evitar um hospital nos próximos dias, mas estou bem o suficiente para expor o que eu, e talvez muita gente que lê esta minha coluna semanal, está pensado destes “ajuntamentos” de partidos que estamos vendo. Dá nojo, dá raiva. Dá a impressão que todo mundo é idiota. Para, né!

Há quatro anos atrás era um querendo furar o olho do outro. Dia desses ouço que “a gente estava em lados opostos, mas sempre fomos amigos”. Não duvido. Mesmo derrotado o PMDB sempre teve as tetas garantidas. Tem razão, desde 2008 tinha gente fazendo campanha para o concorrente. Isso que eu chamo de fidelidade partidária! Que piada! Agora faz todo o sentido aquela ação contra algumas funerárias da cidade... Só sobrando uma apta a prestar serviços no município...

Eu lembro bem da campanha de 2008. Lembro que trabalhei para eleger o Rafael Laske. Talvez esta seja uma das coisas que eu mais me arrependa na minha vida. Tanta mentira, tanta falsidade... Tanta promessa descumprida. Dorian Grey... Eu fui iludida. Agora não. Errar é humano, persistir no erro é burrice. Nestes quatro anos cobrando o meu voto amealhei material suficiente para trabalhar no sentido de que outras “Betes” não se deixem iludir por uma imagem jovial de alma bolorenta.

Minhas próximas colunas serão uma espécie de “Vale a Pena Ver de Novo” - passará pela verba do Fundeb que “sumiu”, dos feirantes presos, dos cemitérios interditados, das CPIs. O povo tem memória curta, mas sempre tem um maluco que arquiva tudo. Vou trazer as promessas de campanha e pretendo mostrar que somente as que não atingiam interesses de uma minoria que manda na cidade é que foram cumpridas. As demais, era muito favor a ser pago...

Do lado do PT eu também não engoli a coligação. Nem pelo atual candidato que desde 2008 pra mim “nem fede nem cheira”, até parece ser um cara legal. Pelo menos tem profissão e toca uma empresa. Não vive de “fazer política”. Mas PSDB é o partido da Privataria Tucana, do [nosso] deputado dos rodeios. Mais longe temos o “Coiso”, que não poupou esforços para denegrir a imagem da nossa atual presidenta que goza do apoio da maioria esmagadora dos brasileiros... Como subir num palanque com eles?

Sou PT desde 2010. Serei PT até enquanto acreditar que este é o melhor partido do pais. Ele tem feito a diferença na vida das pessoas. OK, articulou muito bem uma base aliada. Parabéns para o Lula que mesmo alinhavando alianças não abriu mão da cabeça de chapa. O PT sabe ser protagonista. Pelo visto só o PT de Joaçaba ainda não aprendeu isso... Ou quem sabe ainda não lembra que o Lula lutou desde 1989 para conseguir ser levado à presidência em 2002... É naquele PT que eu acredito!

No mais, meus amigos leitores, eu era pré-candidata à vereadora, meu nome deveria ir para a tal convenção para ser aprovado. Mas com esta coligação eu prefiro ficar de fora. Minhas noites bem dormidas por conta de uma consciência tranquila não têm preço! Seguirei apoiando meus companheiros porque Joaçaba não merece penar mais quatro anos na mão desta cambada que se instalou no paço municipal [com a minha colaboração...].

Fiz a urna de penico em 2008. Em 2012 as coisas são diferentes. Afinal o diabo sabe mais por ser velho do que por ser diabo! Aos quarenta já estou podendo dizer que a maturidade faz um bem danado!

Mas como a política são como as nuvens, talvez esta coluna escrita numa quarta-feira à noite esteja toda errada no sábado à meia-noite... Vai saber!

Nenhum comentário:

Postar um comentário