8 de set de 2013

SEM CREAS, SEM PM... Relato sobre o que acontece com quem está em situação de vulnerabilidade social em Herval d'Oeste/SC:

A falta de Serviço de Abordagem Social [de Rua] aliada à má vontade da PMSC está me rendendo uma postagem em pleno domingo à noite... Pura indignação!

Em torno das 18:00hs saímos eu e meu marido para caminhar por Herval d'Oeste. Espantoso é o número de pessoas embriagadas que Perambulam pelas ruas desta cidade: problema social crônico que deve ser atentado pelos gestores públicos...

18:35hs um senhor amputado da perna direita e usando uma muleta se estatelou no meio da rua, bem no cruzamento da Nereu Ramos com a Beira Rio. Corremos prestar socorro e tirá-lo da via pública, pois o tráfego esta hora é grande por conta daquele salão de baile que chamam de Chapéu do Diabo.

Estava desacordado, estava embriagado. Lembrei na hora que Herval d'Oeste não conta com o equipamento de CREAS -  Centro de Referência Especializado de Assistência Social - e muito menos um serviço de Abordagem Social. 

18:40hs telefonei para a PM tendo em vista estarmos quase em frente ao Batalhão e não haver a menor condição de abandonar aquele senhor à própria sorte. Ficaram de vir e informei que ficaria à espera.

19:00hs e nada! Meu marido - Gilberto Branco - foi até o Batalhão e se deparou com uns 10 policiais no pátio e travou uma discussão sobre a falta de respeito no sentido de não sermos atendidos. Ele desceu e dali a pouco apareceu a viatura 4038 com dois policiais. (19:20hs).

O debate acalorou. Um chegou a dizer que não era obrigação dele atender este tipo de chamada. Lembrei que se tratava de segurança pública e que se não fosse função da PM que tivessem me informado no primeiro contato. E me orientado para onde telefonar. 

Chegaram a me mandar usar o meu carro para fazer o atendimento., Prontamente disse que se estivesse de carro o faria, mas que Segurança Pública é função do Estado e eles, de farda, é que têm a obrigação de zelar pela segurança do cidadão em questão tendo em vista a vulnerabilidade social em que se encontra.

Começou o jogo de empurra. Até não tiro a razão deles, pois é uma vergonha um município não possuir serviço de Abordagem Social, ainda mais em se tratando de um onde este tipo de política pública é urgente. Descaso da gastão municipal, falta de vontade da PMSC. Daí a coisa fica feia...
Reclamaram que estão em poucos policiais para fazer os atendimentos em Joaçaba e Herval d'Oeste. Questionados do porquê ter tantos homens no Batalhão, disseram que o Governador Raimundo Colombo está se negando a pagar as "horas" [não entendi se extras ou de trabalho na rua] e então todo mundo fica no escritório.

Os policias disseram que se recolhessem o senhor com a viatura não seriam atendidos no HUST - Hospital Santa Terezinha, conveniado ao SUS. Como o nariz sangrava e estava desacordado, foi ligado para os Bombeiros. Estes sim chegaram prontamente, fizeram os primeiros atendimentos, verificaram os sinais vitais e o levaram para o atendimento hospitalar.

Fiz umas ligações para tentar descobrir de onde era aquele senhor que só conseguia dizer - mal e mal - o seu nome: Valdecir. Espero que agora ele esteja sendo atendido a contento na emergência, pois precisamos urgentemente olhar para os alcoolistas como doentes que precisam de atenção de todos, poder público, sociedade, legisladores...

Daqui a pouco muitos estarão em frente à TV assistindo à matéria do Fantástico, que trata de tomar atitude frente a situações como estas, e dando seus pareceres, e fazendo seus juízos de valor...

Só sei que não dá pra ficar quieto!!!

PREFEITO!! MEXA-SE!!
GOVERNADOR!!  MEXA-SE!!
SOCIEDADE!! MEXA-SE!!

Atualização 8:50hs do dia 09/09/13 - ACABEI DE RECEBER A INFORMAÇÃO DE QUE HERVAL D'OESTE, EM TESE, POSSUIU CREAS E ABORDAGEM SOCIAL, MAS ELES SE NEGAM A FAZER OS ATENDIMENTOS!! 
ENTÃO A COISA É PIOR DO QUE O DESCRITO ALI EM CIMA!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário