14 de dez de 2013

Sobre o meu pedido de desfiliação do PT:

Como bem disse ontem, a única coisa que supera a velocidade da luz é a fofoca em cidade pequena. E como eu tenho consciência que optei por vir morar numa destas, onde o boato e a fofoca têm mais força do que a realidade fática, acredito ser interessante deixar registrado o que segue [curta e grossa]:

Desde 2010 estava filiada ao Partido dos Trabalhadores, antes era uma apaixonada pelo modo petista de ser. Talvez porque eu acompanhei os dois mandatos da ex-vereadora Sueli Ferronato e o do Ademir Zanchetta - em Joaçaba. Pessoas sérias que não tinham medo de se posicionar do lado do mais fraco de da justiça. Aprendi muito com eles e os tenho num cantinho do meu coração. Vieram outros amigos queridos que me mostraram que dá para fazer um Brasil melhor. Eles têm razão!

Não, não me tornei uma "ex-petista" raivosa. Votarei no PT, Dilma em 2014 terá em mim um cabo eleitoral, assim como outros companheiros que valem a pena não só o voto, mas como o apoio. Gente séria, lutadora. Meu coração era vermelho antes e continuará vermelho sempre! No PT ou onde eu acreditar que haja um "vermelho" que mereça estarei ombreando...

Um dos motivos que me fizeram sair do PT - e em breve de outras entidades das quais faço parte - é o fato de que estar precisando de liberdade para expressar o que penso sem que isto seja vinculado a Entidade A ou B. Pior ainda quando se trata de partido político - já se pensa que o escrito/falado/feito é com interesse politico[queiro]. Isso é um pé no saco!

Não... O julgamento do "mensalão" não fez nem cosquinhas em mim. A história vai mostrar que aquilo foi a maior excrescência jurídica já ocorrida em nosso país [e olha que não foram poucas desde o tempo em que fizemos de conta de proclamamos a república...].

Também sou do tipo que se não posso somar, dividir é que não vou. Em Herval d'Oeste sinto que não estaria somando. Cada diretório tem um modo de trabalhar, e eu respeito muito isso. Como sou do tipo "pavio curto", que prefere as ações diretas [no seu sentido ativista mesmo], sinto que não encontrarei amparo em nenhum partido político, tendo em vista aquela máxima de que "política é como as nuvens".
 
Optei pela liberdade, minha e de meus companheiros, que sempre contarão comigo para os bons combates. Porque eu levo muito a sério o que o Che Guevara disse: "Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros"

Há Braços!

Bete Vieira
Ativista de Plantão!

Nenhum comentário:

Postar um comentário