27 de jan de 2014

MINAS GERAIS SANCIONA A LEI CONTRA O USO DE ANIMAIS EM CIRCOS!!!




Sanção à Lei 21.159, de 2014, que proíbe a apresentação, a manutenção e a utilização de animais em espetáculos circenses, foi publicada no Diário Oficial de Minas Gerais. A norma, de autoria do deputado Alencar da Silveira Jr (PDT), tramitou na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) como Projeto de Lei 4.787/13. A lei proíbe o uso de quaisquer animais, sejam eles selvagens ou domésticos, nativos ou exóticos, em espetáculos circenses no Estado. O descumprimento da lei sujeita o infrator às penalidades de apreensão do animal e multa de 10.000 Unidades Fiscais do Estado de Minas Gerais (Ufemgs). Para o exercício de 2014, uma Ufemg equivale a R$ 2,6382. Desse modo, a multa de 10 mil Ufemgs será de R$ 26.382,00.

ENQUANTO ISSO EM SANTA CATARINA A FARRA DO BOI,  A PUXADA DE CAVALOS, RODEIOS, CIRCOS COM ANIMAIS TÊM APOIO DOS PODERES PÚBLICOS...

#SantaCatarinaMaltrataAnimais


12 de jan de 2014

MUITO ALÉM DO CIDADÃO KANE - mais de 20 anos depois, atualíssimo!

Domingo chuvoso resolvi mexer nos meus filmes e, além de descobri que perdi uns três sem sequer tê-los vistos, encontrei a dobradinha "Cidadão Kane" e "Muito Além do Cidadão Kane". Pronto! Havia ganho a tarde!!!

Sinopse de CIDAÇÃO KANE (1941):

  "A história conta como o repórter Thompson (Joseph Cotten) reconstitui a trajetória do empresário da imprensa Charles Foster Kane (Welles), buscando decifrar o significado de sua última palavra no leito de morte: "rosebud". A morte de Kane comovera a nação e descobrir o porquê daquela palavra se torna uma obsessão para o jornalista, que acredita poder encontrar nela a chave do significado daquela vida atribulada.
  O repórter entrevista, então, as pessoas próximas ao figurão. Um emaranhado de informações vai se costurando à frente dos olhos do espectador, desde a infância pobre, revelando um Kane por vezes perturbado, mas sempre ambicioso. Essa multiplicidade de fontes usadas pelo repórter cria um conjunto de perspectivas diferentes, funcionando como peças do quebracabeças que os espectadores vão montando.
  Kane herda uma fortuna e deixa de viver com os pais para ser criado por um banqueiro, Walter Parks Thatcher (George Coulouris). Dentre todos os negócios que passam às suas mãos na maioridade, resolve dedicar se a um dos menos rentáveis: um jornal convencional e pouco influente.
  Atraindo as estrelas dos veículos concorrentes com salários maiores e praticando um jornalismo agressivo (que freqüentemente descamba para o sensacionalismo), Kane consegue sucesso como homem de mídia, criando uma reputação de campeão dos pobres e oprimidos. Tenta carreira na política, concorrendo a governador como candidato independente; quando parece ter a vitória nas mãos, um escândalo provoca sua derrota. Depois de dois casamentos fracassados, passa seus últimos dias sozinho no palácio que construiu e para o qual levou tudo que o dinheiro podia comprar desde obras de arte de valor inestimável até os animais mais exóticos do planeta.
  O filme faz uso de flashbacks, sombras, tem longas seqüênciãs sem cortes, mostra tomadas de baixo para cima, distorce imagens para aumentar a carga dramática; a iluminação é pouco convencional, o foco transita do primeiro plano para o background, os diálogos são sobrepostos e os closes usados com contenção. Revolucionário.
  O personagem central vai, aos poucos, perdendo suas virtudes e aumentando seus defeitos. Pode ser visto retrospectivamente como alguém amargo, sombrio, arrogante, manipulador, cruel e impiedoso. Sua trajetória, no entanto, encerra muito do sonho americano: idealismo, espírito de iniciativa, fama, dinheiro, poder, mulheres, imortalidade.
  O óbvio paralelo de Kane (e seu Inquirer) com Hearst (e seu Exnminer) gerou controvérsias e pressões para impedir a montagem e exibição do filme. As similaridades são muitas: Kane construiu um palácio extravagante na Flórida, Hearst tinha um em San Simeon; o personagem teve um caso com uma cantora sem talento, Susan Alexander (Dorothy Comingore), lembrando o que Hearst teve com a jovem atriz Marion Davies. Enquanto o magnata da vida real comprou o estúdio Cosmopolitan Pictures para promover o estrelato de Davies, Kane comprou para Susan um teatro. Entretanto, enquanto Hearst nasceu rico, Kane era filho de uma família humilde."

Vale muito a pena ver este filme [aliás, creio de deva estar na lista dos melhores filmes já produzidos] , mas você tem a obrigação é de assistir ao documentário MUITO ALÉM DO CIDADÃO KANE! Incrível como eu ainda não havia assistido! De 1993, ano do seu lançamento, à 2009 estava proibido no Brasil. A alegação era do uso indevido de imagens de propriedade da Rede Globo, mas não demora poucos minutos para descobrir que a intenção era de impedir os brasileiros de conhecer o lixo que é esta emissora e com quem ela ombreia desde seu nascimento que, diga-se de passagem, só ocorreu justamente por conta desta relação nefasta com a Ditadura e o Poder estabelecido.

Resenha de MUITO ALÉM DO CIDADÃO KANE (1993):

"Beyond Citizen Kane ou Muito Além do Cidadão Kane é um documentário sobre a Rede Globo de Televisão, mostrando sua origem através do seu criador, Roberto Marinho. Exibido em 1993 no canal britânico Channel 4, porém sua exibição no Brasil foi proibida por decisão judicial, pois traçava um paralelo entre o empresário e a política brasileira e por usar imagens de direitos autorais da emissora global. Produzido pela BBC de Londres, e com direção de Simon Hartog, faz referência ao personagem Charles Foster Kane, criado por Orson Welles na obra conhecida como Cidadão Kane de 1941, que capta um universo e um personagem.

Cidadão Kane é baseado na trajetória do magnata da comunicação no USA, William Randolph Hearst. O filme se baseia em manipulação de informação. O paralelo entre o filme e o documentário é a forma como seria controlado e exibido o conteúdo a ser informado, ou seja, Kane e Marinho empregariam a mesma manipulação com o objetivo de influenciar. Isso fica claro ao se mostrar os cortes efetuados em um último debate entre Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Collor de Mello nas eleições de 1989.

Depoimentos de celebridades e personalidades como Leonel Brizola, Chico Buarque, Washington Olivetto, jornalistas, historiadores e estudiosos da sociedade brasileira fazem da obra um marco em conteúdo, mostrando o crescimento e o poder da Rede Globo na mídia brasileira a exemplo apresenta uma cobertura do movimento das Diretas-Já, em 1984, em que a emissora noticiou uma festa de aniversário da cidade de São Paulo e não realmente o que estava acontecendo naquele momento.

O documentário na época custou cerca de US$ 260 mil dólares o que equivalem a R$ 445 mil reais à produtora independente Large Door. Foi visto mais de 800 mil vezes na internet. Muito elogiado e criticado é também chamado por alguns de a história proibida da Rede Globo.

Como um soco no estômago de quem assiste é um grande documentário que oferece uma reflexão sobre como a mídia é formadora de opinião, de como podemos ser alienados e manipulados no que é transmitido. Com um roteiro muito bem feito, o documentário televisivo apresenta os seguintes ingredientes como criticas ao capitalismo: propagandas induzidas, o problema das concessões realizadas por apadrinhamento. Só se torna cansativo ao intercalar depoimentos, imagens de arquivo e narrações. O que é apresentado exaustivamente poderia ser amenizado, pois a proposta de apresentar a Globo como detentora do desenvolvimento político e social fica claro no decorrer da obra. Muito Além do Cidadão Kane é importante, pois mostra a história política do Brasil e a influência da maior emissora de televisão brasileira, vale a pena assistir."

 

10 de jan de 2014

A Bete aqui não é pré-candidata da nada. Sem boatos, por favor!

Ultimo boato sobre mim:

"Bete, que bom que na próxima eleição você vai sair de vice!"
- Como assim?
"Pois é! No bairro está todo mundo falando..."
- De jeito nenhum! Se eu entro lá, mando uma meia dúzia pra rua, abro uma auditoria e sou assassinada no quarto dia :(

Espero sinceramente que este boato sem sentido tenha saído da cabeça de alguém que gosta de mim e sonha em me ver fazendo algo de bom [na política] pela cidade.

...mas algo me diz que deve ter saído de alguma boca maldosa por conta de eu sempre estar por lá atendendo bicho, aceitando cafezinho e um dedinho de prosa seja lá com quem for...

Em tempo: me desfiliei de partido político para poupar os fofoqueiros de plantão. Fiquem frios. Não preciso de função ou cargo político para trabalhar pelo o que acredito, por um mundo melhor!

Pequenas cidades, grandes infernos!!!!


6 de jan de 2014

MINHA REFLEXÃO SOBRE A FALTA DE ÁGUA NAS PRAIAS

Na verdade a reflexão não é "minha" e sim do meu irmão, Juarez Vieira. Só peguei emprestada porque vale muito a pena :)

Uma pergunta interessante: será que todos que estão sem água estão com seus imóveis regularizados, com todas as edificações averbadas no cadastro imobiliário da prefeitura? Quem está deve estar pagando IPTU por aqueles que não estão. 

Quem não está com seu cadastro atualizado está sonegando IPTU e, portanto, colaborando para a falta de recursos para investir na ampliação da capacidade de fornecimento de água para TODOS, inclusive para aqueles que pagam o IPTU corretamente.

Lembrando que o problema é de densidade demográfica, pois há um aumento absurdo de pessoas nas praias no verão. E, convenhamos, entre o governo federal (através da Caixa Econômica Federal) emprestar recursos para a conveniência da população fixa de uma cidade e para beneficiar veranistas, nada mais justo que privilegie os moradores fixos. 

Entendo que, ao colocarmos 20, 30 pessoas numa casa de praia e exigirmos que não falte água é algo totalmente insano, principalmente porque se espera que em uma casa morem, em média 5 ou 6 pessoas. 

Não dá para, com o faturamento de um mês (20/12 a 20/01), fazer investimentos para serem recuperados em 12 vezes mais tempo que os outros investimentos em água para a população fixa, pois haverá só um mês de altíssimo consumo e, por consequência, de alta receita. 

Soluções que proponho (sem conhecimento técnico algum no assunto): 

1º multas para aqueles que lavam carros e molham as ruas;
2º instalação de reservatórios (caixas de água) em todas as casas;
3º recálculo dos valores venais dos imóveis, principalmente os das praias, para que o IPTU gerado a mais seja utilizado no aumento da capacidade de fornecimento de água;
4º Coleta de água da chuva para uso em limpeza das casas e dos carros, bem como nos banheiros;

5º Os mais difíceis de todos: consciência de quem aluga para fixar um número máximo de moradores por casa e multar quem excede os limites (só sentem no bolso) e consciência de quem convida pessoas para a sua casa, entendendo que a água tratada é um recurso limitado. 

Excelente ideia que certamente reduziria a falta de água e pouparia este precioso líquido, acabando com o uso de água tratada nas descargas dos banheiros, lavação de roupas, calçadas e carros.

É o que penso.

3 de jan de 2014

Este mês! FÓRUM SOCIAL TEMÁTICO em Porto Alegre/RS!



"Crise Capitalista" centraliza debates do Fórum Social Temático 2014


Reprisando o tema "Crise Capitalista, Democracia, Justiça Social e Ambiental", Porto Alegre sediará mais uma edição do Fórum Social Mundial Temático, marcada para ocorrer entre os dias 21 e 26 de janeiro de 2014.


PORTO ALEGRE/RS - Criado em 2001 para servir de contraponto ao Fórum Econômico Mundial (World Economic Forum - WEF) - realizado simultaneamente em Davos, na Suíça - a Capital do Rio Grande do Sul oferece espaços tradicionais na área central da cidade e na Região Metropolitana, com destaque para a Usina do Gasômetro, Casa de Cultura Mário Quintana, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Assembleia Legislativa (ALRS), Câmara de Vereadores e Memorial do Rio Grande do Sul.


A edição temática introduz a construção de três ágoras para a realização das chamadas "desconferências". Na Antiguidade, Ágora era a praça principal na constituição da Pólis - a cidade grega clássica -, um espaço livre de edificações, propício para a realização de assembleias populares.


Na configuração pretendida pelo FSMT 2014, as ágoras possuem forma de tendas circulares em que ocorrerão debates dos quais participarão convidados dos cinco continentes, sem hierarquização na ordem das intervenções. À moda tradicional, o espaço será de palco de atividades culturais, com apresentação de esquetes, musicais e teatrais.


EVENTO MULTIFACETADO - O roteiro da edição temática se encontra no site www.forumsocialportoalegre.org.br, em que estão contidas informações do programa e links das modalidades de inscrição, diferenciadas para participante, voluntáriado, atividades autogestionadas e de economia solidária.

Concebido como espaço plural e diversificado, apartidário, descentralizado e não-governamental, o evento articula entidades e movimentos engajados em ações concretas, em âmbito local e internacional, definido por Mauri Cruz, diretor da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong), como espaço aberto à participação e formulação de propostas, troca de experiências e de convergências entre organizações e movimentos, visando o aprofundamento das reflexões e debates sobre novas formas de construção e exercício do poder popular.


CRISE AMBIENTAL – Um dos representantes brasileiros na 19 Conferência das Partes, da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança de Clima (COP-19), realizada em Varsóvia, na Polônia, entre 11 e 22 de novembro/13, o engenheiro civil e presidente da ONG Força Verde manifestou o objetivo da FSMT 2014 de persistir na busca de caminhos para um acordo internacional que reduza as emissões de gases que provocam o chamado efeito estufa. Na realização de 2013, seis meses após a realização da RIO+20, no Brasil, o ambientalista procurou trazer aos debates do Fórum Temático o caráter de reavaliação dos temas levantados naquela conferência. ”O novo tratado, do qual são signatários a maioria dos 190 países presentes na COP-19, deverá ser assinado em Paris, em 2015, para entrar em vigor a partir de 2020.


No contexto do fórum, já estão programados eventos com identidade própria, mas diretamente ligados ao processo mundial e local, como o Fórum Mundial de Educação, que será realizado na cidade vizinha de Canoas; o Projeto Conexões Globais, que promove debates com participação à distância por meio de telões instalados na Casa de Cultura Mário Quintana; o Seminário Internacional do Fórum Mundial de Mídia Livre; o Espaço Mundo do Trabalho, que reúne entidades sindicais de todo o mundo, no mezanino da Usina do Gasômetro; o Espaço Ubuntu, no Largo Zumbi dos Palmares, o Acampamento Intercontinental da Juventude, no Parque da Harmonia, além da tradicional Feira da Economia Solidária, que oferece produtos e divulga o conceito.


MÍDIAS LIVRES - A caminho da quarta edição - duas no Brasil e outra na Tunísia - o Fórum Mundial de Mídia Livre (FMML) será aberto pelo Seminário Internacional das Mídias Livres, realizado em Porto Alegre, a partir do debate das tecnologias e protocolos propostos pelas redes sociais livres e a elaboração da Carta Mundial das Mídias Livres, que será uma referência para as lutas internacionais da comunicação e do próprio FSM.

A Carta foi proposta do FMML, em Túnis, no FSM 2013, e será alvo de discussões em 2014, no II Seminário Internacional, em data a ser agendada para o segundo semestre, com texto final aprovado no IV FMML, em país a ser definido até o final do ano.


FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL - Criado em 1971 como arauto da globalização, o Fórum Econômico Mundial (World Economic Forum – WEF) é um encontro anual que reúne líderes da economia mundial, como empresários, ministros da Economia e presidentes de Banco Centrais, diretores do Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial e organismos internacionais.


Promovido por fundação suíça com status de consultora das Nações Unidas, o WEF acontece de 22 a 25 de janeiro e focaliza "A Reformulação do Mundo: Consequências para a Sociedade, Política e Negócios". Composto por debates de diversos assuntos, o eixo econômico destaca a discussão sobre o impacto da globalização em mercados emergentes, regulamentação dos mercados financeiros e novas tecnologias. Crescimento Econômico, Sustentabilidade Ambiental, Sistemas Financeiros, Saúde para Todos e Desenvolvimento Social completam os eixos gerais da reunião anual.